... Julgo que depois destes malabarismos, os currículos das pessoas com funções políticas activas com o propósito de praticar o bem comum de uma nação, devem ser exigidos e publicados em Diário da Republica para qualquer cidadão poder consultar e certificar-se das habilitações de cada politico. Não deve ser uma opção, mas uma condição contemplada numa lei própria para o efeito, pois como sabemos, nenhum trabalhador é admitido numa função numa empresa, sem referências e/ou curriculo académico/profissional. será verdade que o PS está "calado" neste caso da licenciatura de M. Relvas porque o Irmão Maçon António Seguro dos Bancos (da Universidade Lusófona) foi um dos professores envolvido no processo?...

Máfia Portuguesa Crise Europa Privatizações Portugal Opinião Dainel Estulin Max Keiser Alessio Rastani Nigel Farage Ana Drago Honório Novo José Lello Nuno Magalhães: Caso Goldman Sachs António Borges Jerónimo Martins



Não manda no mundo, mas não estará muito longe. O longo braço de um dos maiores bancos de investimentos do mundo


Crise: Alessio Rastani E O Projecto Goldman Sachs

Quando o corrector Alessio Rastani declarou na BBC que quem manda no mundo é a Goldman Sachs e que sonhava com a recessão, um frémito de espanto percorreu o mundo. Depressa passou a anedota, mas talvez não esteja tão longe da razão quanto isso.



Convém Lembrar Daniel Estulin no Parlamento Europeu


Max Keiser diz que a banca está por detrás da crise


O Discurso de Mr Gerard Baten Eurodeputado no Parlamento Europeu a falar sobre a conspiração Bilderberg


Importa ouvir Mr Nigel Farage UK MEP


Mark Blyth, Prestigiado Economista, Professor de Economia: A Austeridade é uma Ideia Perigosa


A ascensão de Mario Monti à liderança do governo italiano encerra algumas particularidades: ao tomar o lugar de Silvio Berlusconi, substituiu o que se dizia insubstituível e com a imposição de um governo tecnocrata sem eleições, suspendeu as regras normais da democracia. E ao colocar um sénior adviser da Goldman Sachs à frente de uma nação ocidental, eleva para novos patamares o poder deste banco de investimentos. E o que se passa em Itália é precisamente isso: um passo de gigante na direcção do sucesso para o «Projecto Goldman Sachs», diz o jornal inglês The Independent.

É que não é só Mario Monti. O Banco Central Europeu, com um papel central em toda a crise que atinge a zona euro, também é gerido por um ex-Goldman. Os antigos colaboradores do banco de investimentos estão nos corredores do poder de praticamente todos os países da Europa. Até à passada semana, a divisão europeia do FMI também era liderada por um homem da Goldman Sachs, o português António Borges. Este estender dos tentáculos do banco até ao topo da zona euro está a levantar celeuma quanto à influência que realmente tem. As decisões políticas que serão tomadas nas próximas vão determinar se a zona euro consegue pagar as suas dívidas e os interesses do Goldman estão directamente ligados a essa questão.

Mas o que é o «Projecto Goldman Sachs»? Dito de uma forma simplista, é abraçar os governos. Todos os negócios querem chegar aos reguladores que os podem impulsionar e aos políticos que lhes podem dar benefícios fiscais. Só que isto não é um mero trabalho de lóbi. A Goldman Sachs está lá para aconselhar e dar financiamento, para mandar o seu pessoal para serviços públicos e para proporcionar empregos lucrativos a quem sai da governação. O «Projecto» visa, assim, criar um intercâmbio de ideias e pessoas o mais profundo possível, acabando por ser quase impossível traçar a linha entre os interesses públicos e os da Goldman Sachs.

Monti é um dos mais prestigiados economistas italianos, tendo passado grande parte da sua carreira na universidade. Mas foi quando Berlusconi o nomeou para a Comissão Europeia, em 1995, que a Goldman começou a reparar nele. Como comissário para o mercado interno, primeiro, e para a competitividade, depois, Monti tomou decisões que podiam fazer perigar os negócios que os banqueiros da Goldman Sachs estavam a preparar ou a financiar. Mais tarde, Monti acabou por liderar o comité do tesouro italiano, precisamente onde são definidas as políticas financeiras do país. Com este currículo, não admira que a Goldman o tenha convidado a juntar-se ao seu conselho de conselheiros internacionais, um grupo com 24 elementos que actua, informalmente, como um lóbi. Otmar Issing, que enquanto membro da administração do Bundesbank foi um dos arquitectos do euro, também está neste conselho, assim como o irlandês Peter Sutherland, também ex-comissário na União Europeia e director não-executivo do Royal Bank of Scotland, até à sua nacionalização. Actualmente, é o chairman, não executivo, do Goldman UK.

Mas acolher políticos bem relacionados quando saem do governo é só metade do «Projecto». Enviar ex-quadros da Goldman Sachs para esses governos é a outra metade. Mário Draghi, o presidente do BCE, entrou e saiu da Goldman, nos intervalos das entradas e saídas de cargos como os ocupados no Banco Mundial ou na direcção do tesouro italiano.

Os italianos e outras nações da zona euro, com a Grécia à cabeça, são acusados de uma série de habilidades contabilísticas, que lhes permitiram aceder ao euro. Através de complicados processos estatísticos, conseguiram que as dívidas públicas aparecessem mais baixas nos balanços, muito abaixo dos 60% do PIB então exigidos. Os cérebros por detrás destas engenharias financeiras foram homens e mulheres do Goldman Sachs.

O banco criou uma série de estratagemas financeiros que permitiram à Grécia conseguir dinheiro para cortar o défice no imediato. Numa só ocasião, a Goldman canalizou um bilião de dólares em fundos para o governo grego, em 2002, numa transacção chamada “cross-currency swap”. Quem estava no outro lado do negócio? Petros Christodoulou, do Banco Nacional da Grécia, que começou a sua carreira no Goldman Sachs. Lucas Papademos, o novo primeiro-ministro helénico, era à altura líder do Banco Central da Grécia. A Goldman expressa agora alguns “remorsos” quanto ao negócio, designadamente na sua relação para com as regras do euro.

Se os países da zona euros, em especial a Itália, deixarem de pagar as suas dívidas, muitos bancos acabarão insolventes. A Goldman Sachs, que detém seguros acima dos 2 triliões de dólares, incluindo os países da zona euro, não sairá incólume. Nenhum banco o conseguirá. É esta a grande justificação para os resgates e a austeridade. Para termos mais Goldman, não menos. A alternativa parece ser uma segunda crise financeira, um novo colapso. Alguém quer experimentar?

Multiplicam-se os ex-quadros da Goldman Sachs que estão nos corredores do poder na Europa.

PCP Exige Demissão de António Borges


PCP pede demissão de António Borges como consultor de privatizações

PS e Bloco de Esquerda alinham no mesmo tom, considerando inaceitável a acumulação deste cargo com o convite para integrar a administração da Jerónimo Martins.

O PCP exige a demissão de António Borges, o homem escolhido pelo Governo para consultor das privatizações.

António Borges deixou o Fundo Monetário Internacional (FMI) para ocupar este cargo. Agora vai também ingressar na administração da Jerónimo Martins.

O deputado comunista Honório Novo considera que as duas funções são incompatíveis, por isso lança o seguinte desafio: “Das duas uma, ou o senhor António Borges tem decoro e se demite da comissão de privatizações ou o Governo tem que o demitir do cargo para o qual o nomeou", afirmou.

Para o PCP, é "absolutamente inaceitável" a acumulação de cargos, "independentemente da ilegalidade", constituindo uma "posição insustentável do ponto de vista da defesa do interesse público".

Também o deputado socialista José Lello classifica a situação como confusa. Em declarações aos jornalistas, o ex-secretário nacional do PS para as relações internacionais afirmou que este caso “é uma incompatibilidade manifesta, porque há uma confusão de interesses. É bom que isso fique bem clarificado", disse.

Já a bloquista Ana Drago recorre à ironia e humor para criticar a situação. Em declarações aos jornalistas, a deputada considerou que ”não é aceitável ter um pé no público e ter um pé no privado", insistiu, ironizando que, como se está a falar do Pingo Doce, é caso para dizer que "de Janeiro a Janeiro os amigos do Governo vão arranjando lugares para o ano inteiro".

Terminamos com Nuno Magalhães do CDS Para Fechar com Chave de Ouro


Links Internos
António Borges Santander Goldman Sachs Máfia das Privatizações
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/mafia-privatizacoes-gang-fmi-banca.html
António Borges na Trilateral Europa
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/anonymous-crise-economica-financeira.html
António Borges e a Trilateral Portuguesa
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/tugaleaks-anonymous-portugal-alerta.html
Advogados e Politico Negócios
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/mafia-portuguesa-corrupcao-impunidade.html
Assassino Económico CEO Da Goldman Sachs Arrependido
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/assassino-economico-arrependido-greg.html
O Programa da Troika compromete a Economia
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2011/07/programa-da-troika-ue-bce-fmi.html
Máfia Bilderberg Portugal
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2011/05/mafia-bilderberg-portugal-governo.html
Estudos Portugueses Sobre Economia
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/crise-portuguesa-estudos-portugueses.html
Os Negocios da Dívida
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/euromilhoes-bancos-politicos-gang-mafia.html
A Privatização da água Agenda dav Trilateral 1997
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/mafia-privatizacoes-portugal.html

Transparência Máfia Privatizações Esquerda PCP Bloco e PS Vêm Conflito de Interesses António Borges Jerónimo Martins! Passos Gaspar PSD Acha Normal Comandante Goldman-Sachs Trilateral Bilderberg FMI Na Privatária Portuguesa

TRANSPARÊNCIA E INTEGRIDADE

“Que interesses defendem os deputados/empresários? Representam o povo junto do sector ou os seus sectores e empresas junto do Estado?”

«As reformas incluídas no memorando da ‘troika’ podem criar “oportunidades para a corrupção”, lê-se num relatório entregue pela Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC) ao BCE, FMI e Comissão Europeia.

Para os responsáveis pela associação, da qual faz parte, entre outros, Maria José Morgado, as medidas relacionadas com as privatizações, renegociação das Parcerias Público-Privadas ou a reestruturação das Forças Armadas. O documento da TIAC, de que a procuradora geral-adjunta Maria José Morgado é directora, propõe mecanismos de controlo.

O documento foi entregue à “troika” no final de Junho e apresenta uma série de preocupações e sugestões como medidas preventivas para as várias reformas previstas no memorando de entendimento. “Algumas das reformas previstas no memorando de entendimento, como as privatizações, a renegociação das parcerias público-privadas ou a reestruturação das Forças Armadas, podem abrir oportunidades para a corrupção, sobretudo dada a forte promiscuidade entre interesses públicos e privados em Portugal e os baixos custos morais e legais associados a transações ilícitas”, refere o documento da TIAC.

A Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC) é o Ponto de Contacto Nacional da organização global de luta contra a corrupção “Transparency International”. E a preocupação dos seus investigadores parte da constatação de que não existe em Portugal uma estratégica nacional de combate à corrupção. Sugerem mesmo que a proposta reforma do sector público e da Justiça “deve começar pela elaboração de uma estratégia nacional de combate à corrupção e criminalidade conexa e um plano de acção com metas claras a atingir nos próximos quatro anos”.

http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/transparencia-mafia-privatizacoes.html
António Borges Goldman Sachs FMI Jerónimo Martins: PCP Bloco PS Dizem Há conflito de Interesses O VIDEO ACIMA NO YOUTUBE
http://www.youtube.com/watch?v=e1orEFqX6aA

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Transparência Máfia Privatizações Esquerda PCP Bloco e PS Vêm Conflito de Interesses António Borges Jerónimo Martins! Passos Gaspar PSD Acha Normal Comandante Goldman-Sachs Trilateral Bilderberg FMI Na Privatária Portuguesa



Esquerda vê conflito de interesses no regresso de António Borges à Jerónimo Martins

Esquerda: Conflito Interesses António Borges Goldman Sachs Trilateral Bilderberg Jerónimo Martins

O PCP considera inaceitável que António Borges regresse à administração da Jerónimo Martins. Os comunistas dizem que o interesse público está posto em causa, quando é o mesmo administrador que vai liderar a supervisão das privatizações de empresas como a TAP, a ANA e a RTP. O PS e o Bloco de esquerda querem explicações do Governo. Os partidos de esquerda consideram que há um conflito de interesses.



Links Internos
António Borges Santander Goldman Sachs Máfia das Privatizações
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/mafia-privatizacoes-gang-fmi-banca.html
António Borges na Trilateral Europa
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/anonymous-crise-economica-financeira.html
António Borges e a Trilateral Portuguesa
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/tugaleaks-anonymous-portugal-alerta.html
Advogados e Politico Negócios
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/mafia-portuguesa-corrupcao-impunidade.html
Assassino Económico Goldman Sachs Arrependido
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/assassino-economico-arrependido-greg.html
O Programa da Troika compromete a Economia
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2011/07/programa-da-troika-ue-bce-fmi.html
Máfia Bilderberg Portugal
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2011/05/mafia-bilderberg-portugal-governo.html
Estudos Portugueses Sobre Economia
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/crise-portuguesa-estudos-portugueses.html
Os Negocios da Dívida
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/02/euromilhoes-bancos-politicos-gang-mafia.html
A Privatização da água Agenda dav Trilateral 1997
http://revoltatotalglobal.blogspot.com/2012/03/mafia-privatizacoes-portugal.html

Informações Externas:

A Dita e o Balde Divulga
Terça-feira, 19 de Julho de 2011

TRANSPARÊNCIA E INTEGRIDADE

“Que interesses defendem os deputados/empresários? Representam o povo junto do sector ou os seus sectores e empresas junto do Estado?”

«As reformas incluídas no memorando da ‘troika’ podem criar “oportunidades para a corrupção”, lê-se num relatório entregue pela Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC) ao BCE, FMI e Comissão Europeia.

Para os responsáveis pela associação, da qual faz parte, entre outros, Maria José Morgado, as medidas relacionadas com as privatizações, renegociação das Parcerias Público-Privadas ou a reestruturação das Forças Armadas. O documento da TIAC, de que a procuradora geral-adjunta Maria José Morgado é directora, propõe mecanismos de controlo.

O documento foi entregue à “troika” no final de Junho e apresenta uma série de preocupações e sugestões como medidas preventivas para as várias reformas previstas no memorando de entendimento. “Algumas das reformas previstas no memorando de entendimento, como as privatizações, a renegociação das parcerias público-privadas ou a reestruturação das Forças Armadas, podem abrir oportunidades para a corrupção, sobretudo dada a forte promiscuidade entre interesses públicos e privados em Portugal e os baixos custos morais e legais associados a transações ilícitas”, refere o documento da TIAC.

A Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC) é o Ponto de Contacto Nacional da organização global de luta contra a corrupção “Transparency International”. E a preocupação dos seus investigadores parte da constatação de que não existe em Portugal uma estratégica nacional de combate à corrupção. Sugerem mesmo que a proposta reforma do sector público e da Justiça “deve começar pela elaboração de uma estratégia nacional de combate à corrupção e criminalidade conexa e um plano de acção com metas claras a atingir nos próximos quatro anos”.

O programa de assistência financeira é considerado uma oportunidade única para os decisores “fazerem reformas profundas na área da transparência e do rigor nos processos orçamentais”. A TIAC sugere uma série de procedimentos ao nível da fiscalização e monitorização da dívida das administrações públicas, identifica as fragilidades e propõe mecanismos de controlo.

Neste documento com 16 páginas entregue à “troika” são identificadas as áreas mais problemáticas, designadamente as Parcerias Público-Privadas (PPP) e concessões, os conflitos de interesses, a contratação pública, as privatizações e os processos de licenciamento. Para cada um destes sectores é apresentado um conjunto de riscos e um conjunto de sugestões.

A duplicidade de papéis é questionada: “Que interesses defendem os deputados/empresários? Representam o povo junto do sector ou os seus sectores e empresas junto do Estado?”.

No âmbito do conflito de interesses, os investigadores referem exemplos de “forte promiscuidade entre as esferas política e empresarial” . São os casos dos deputados “detentores de grandes escritórios de advogados”, em que se levanta uma questão: “Cada vez que um deputado/advogado debate ou elabora legislação deve principal fidelidade às empresas para que trabalha”.

Alertam os investigadores para a sensível questão das ligações de membros do Governo a grandes empresas e a poderosos escritórios de advogados, nomeadamente nos processos de renegociação das PPP, nas privatizações e também na área da Defesa.»
Diário Económico

Parlamento "não tem idoneidade" para travar corrupção

Um dos autores do estudo sobre oportunidades de corrupção encomendado pela troika considera que a Assembleia da República não tem idoneidade para fiscalizar a execução das reformas de ajuda externa e sugere a contratação de um equipa internacional.


Em declarações ao DN, Paulo Morais justifica a acusação com os conflitos de interesses por parte dos deputados que acumulam funções no Parlamento "com lugares de administração ou consultoria de empresas que têm negócios com o Estado".

O relatório da organização Transparência e Integridade (TI), a que o DN teve acesso, aponta para a renegociação das Parcerias Público-Privadas, o pacote de privatizações e a reestruturação das Forças Armadas como oportunidades para actos de corrupção.

DN
20 jULHO 2011

Condenação de nomeações políticas na Administração Pública e empresas do Estado
Somos Olhão! divulga comunicado da TIAC saído hoje

Associação reclama reformas urgentes no sistema de nomeações públicas


Lisboa, 27 de Julho de 2011

A TIAC – Transparência e Integridade Associação Cívica, ponto de contacto em Portugal da organização internacional de luta contra a corrupção Transparency International, manifesta a sua oposição e alarme quanto à forma como foram escolhidos os novos elementos da administração da Caixa Geral de Depósitos, no que se teme seja (como tem sido noticiado) apenas o início de uma avalanche de nomeações políticas para ocupar mais de 1200 cargos dirigentes que estão vagos em empresas e organismos do Estado. A TIAC exige ao Governo e do Parlamento reformas urgentes das normas que regem as nomeações públicas.


«A nomeação dos novos corpos sociais da Caixa Geral de Depósitos, feita sem qualquer critério de transparência, ignora por completo as recomendações de prevenção da corrupção que a TIAC apresentou no final de Junho ao Governo e à troika que acompanha o processo de resgate a Portugal. Além disso, levanta fundadas preocupações sobre o modo como algumas das reformas previstas no Memorando de Entendimento, nomeadamente as privatizações e a renegociação das parcerias público-privadas, irão ser conduzidas», diz o presidente da TIAC, Luís de Sousa.


Para a TIAC, as nomeações já anunciadas para a Administração e a Comissão de Auditoria da Caixa Geral de Depósitos dão seguimento à promiscuidade entre a política e os negócios. A nomeação para a Comissão de Auditoria, em regime de não exclusividade, de advogados envolvidos em negócios nos quais a CGD é participante ou parte interessada, são pontos de particular preocupação. «Este conjunto de nomeações revela uma inquietante indiferença por parte do Governo em relação aos conflitos de interesses nas relações entre o sector público e o sector privado. Esperemos que não seja um anúncio do que ainda está para vir», diz Luís de Sousa.

De modo a salvaguardar o interesse público e a transparência nas nomeações públicas e na condução dos negócios do Estado, a TIAC reitera três recomendações urgentes:


1 – Que seja alterada a Lei 51/2005 de 30 de Agosto (a qual determina o fim do mandato dos directores-gerais da Administração Pública, com a tomada de posse de um novo Governo) no sentido de alargar o procedimento concursal assente no mérito e na livre concorrência aos cargos de dirigentes na Administração Pública e acabar com as nomeações de confiança política por despacho do primeiro-ministro e/ou membro do Governo. «Esta prática de partidarização da Administração Pública tem sido uma das principais causas do despesismo clientelar no aparelho do Estado e é um dos grandes entraves à sua modernização», diz Luís de Sousa.


2 – No que concerne as nomeações para órgãos reguladores, institutos e fundações de gestão pública, empresas públicas ou com participação do Estado, a TIAC recomenda que a escolha dos candidatos seja objecto de audiência e escrutínio pelas comissões parlamentares de Ética e Economia. As biografias dos candidatos devem obedecer a um formato específico e ser públicas, elencando os cargos ocupados nos últimos anos, interesses detidos (representações em órgãos sociais, participações em capital, etc.), filiações partidárias, laços de família, cargos desempenhados em actuais fornecedores ou clientes e tudo aquilo que possa constituir um conflito de interesses real, potencial ou aparente com a actividade que vão exercer. As biografias dos candidatos e os processos de nomeação deverão constar de um site próprio de fácil consulta.


3 – No que concerne aos avaliadores/auditores em processos de privatização ou de renegociação de Parcerias Público-Privadas, a TIAC recomenda a criação de uma bolsa de avaliadores/auditores qualificados/credenciados. Compete às Comissões de Ética e Economia da AR definir os termos dos processos de acreditação, cujas regras e procedimentos devem constar de um site próprio de fácil consulta.


«O Governo e o Primeiro-Ministro tinham anunciado que iriam romper com as velhas práticas de partidarização do sector público. Pelos vistos, parecem ter-se ficado pelas intenções. A partir de agora, aberto este precedente, é expectável uma pressão feroz por parte das clientelas políticas dos partidos no Governo para o assalto em força à máquina do Estado. O Governo precisa de ser firme, abster-se de fazer nomeações políticas que premeiam fidelidades partidárias à custa do interesse público e avançar o quanto antes com estas reformas no sistema de nomeações para a Administração Pública e organismos do Estado», defende o presidente da TIAC, Luís de Sousa.

Breve nota:

Transparência e Integridade, Associação Cívica (TIAC) – www.transparencia.pt

A TIAC, ponto de contacto nacional da Transparency International, é uma associação sem fins lucrativos que tem como finalidade geral promover a legalidade democrática e a boa governação, combatendo a corrupção e fomentando os valores da transparência, integridade e responsabilidade na opinião pública, nos cidadãos e nas instituições e empresas públicas e privadas, nomeadamente através da realização de campanhas públicas, projectos de investigação, acções de formação e da cooperação com outras organizações governamentais e não-governamentais

TIAC condena “privatização pela calada” da EDP
Associação exige explicações públicas do Governo A Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC) condenou hoje a forma como está a ser conduzida a privatização da EDP, ao arrepio das mais elementares normas de transparência e contra todas as promessas de abertura ao escrutínio público repetidas vezes feitas pelo Governo. A negociação directa conduzida [...]

TIAC reúne com FMI sobre custos da corrupção
A Transparência e Integridade – Associação Cívica (TIAC), Ponto de Contacto Nacional da organização global de luta contra a corrupção Transparency International, reuniu na tarde desta sexta-feira com o representante residente sénior do Fundo Monetário Internacional em Lisboa, Albert Jaeger. O encontro de duas horas, organizado a convite da eurodeputada e sócia honorária da TIAC [...]

Às claras – O Blog da Transparência e Integridade
Às Claras é o espaço de opinião livre da TIAC – Transparência e Integridade Associação Cívica. É um fórum aberto para discutir o combate à corrupção e a promoção da transparência nas relações entre os cidadãos e um Estado que precisa como nunca de escrutínio exigente, sereno e maduro, aberto à sociedade civil. Não seremos [...]
Eurobarómetro sobre corrupção revela sinais de alarme
Os resultados do último Eurobarómetro sobre corrupção são alarmantes, mas infelizmente não são surpreendentes. O inquérito, feito em Portugal pela TNS Euroteste, revela que 97 por cento dos inquiridos encara a corrupção como um problema grave do país (a média europeia, já de si inquietante, é de 74 por cento). Só a Grécia (com um [...]
CPI 2011: Portugal sem progressos no combate à corrupção
Índice de Percepção da Corrupção da Transparency International não regista avanços no nosso país Portugal mantém-se no 32º lugar global do Índice de Percepção da Corrupção (CPI) publicado hoje pela

Transparência.org Brasil: Caminhos da Transparência

Contratação e nepotismo

As raízes do nepotismo e as origens do seu enfrentamento

O conceito de nepotismo está umbilicalmente vinculado ao de corrupção. Segundo MacMullen (1999), em sentido gramatical, é um conceito que envolve a demonstração de favorecimento de parentes ou amigos, especialmente na indicação para empregos desejáveis, que não seja baseada em mérito ou justiça. Bobbio (1991) reforça essa vinculação: o nepotismo é um dos três tipos de corrupção, definido como “concessão de emprego ou contratos públicos baseada não no mérito, mas nas relações de parentela”. Como manifestação da corrupção que se expressa em termos de legalidade ou ilegalidade e só faz sentido quando contextualizada como prática no âmbito do aparelho estatal, o nepotismo está também associado ao conceito de clientelismo:

Onde o desenvolvimento determina processos de desagregação social, por vezes macroscópicos, e os partidos e estruturas políticas modernas foram introduzidos “do alto”, sem o suporte de um adequado processo de mobilização política, também é claro que, em lugar do clientelismo tradicional, tende a afirmar-se um outro estilo de clientelismo que compromete, colocando-se acima dos cidadãos, não os já notáveis de outros tempos, mas os políticos de profissão, os quais oferecem, em troca da legitimação e apoio (consenso eleitoral), toda a sorte de ajuda pública que têm ao seu alcance (cargos e empregos públicos, financiamentos, autorizações, etc.). É importante observar como esta forma de clientelismo, à semelhança do clientelismo tradicional, tem por resultado não uma forma de consenso institucionalizado, mas uma rede de fidelidades pessoais que passa, quer pelo uso pessoal da classe política, dos recursos estatais, quer, partindo destes, em termos mais mediatos, pela apropriação de recursos civis autônomos (Bobbio, 1991, p. 178).
Assim, irmãos gêmeos e expressões típicas do patrimonialismo, nepotismo e clientelismo andam de mãos dadas, convertendo o acesso aos cargos e empregos públicos em moeda de troca e fator de coesão e legitimação dos detentores do poder.

As origens do nepotismo, ou da utilização clientelista, fisiológica ou eleitoreira dos cargos e empregos públicos, confundem-se com a origem do próprio Estado. Não apenas do Estado moderno, mas da organização estatal em sua forma mais primitiva, de que é exemplo a estrutura monárquica de poder, fundada essencialmente na idéia de hereditariedade, em que inexiste qualquer associação ou vinculação entre o direito de exercer o poder político e um sistema de mérito ou mesmo a impessoalidade.

A prática do nepotismo, contudo, não foi assimilada por todas as culturas e sociedades de maneira homogênea ou sem resistências. Desde meados do século XIX, diversos países, tais como França, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos da América, passaram a implementar reformas com o propósito de reduzir os espaços para práticas que associassem o uso dos cargos e empregos públicos ao exercício do poder político, reduzindo a margem de discricionariedade dos governantes no seu provimento, mediante a implementação do “sistema de mérito”.

Essas medidas surgem, segundo Catalá (2000), como conseqüência de pressões para remediar os excessos dos partidos políticos, cuja tendência a administrar os cargos e empregos públicos como um butim eleitoral produzia perda de competência profissional, ineficácia e ineficiência, predomínio da lealdade partidária sobre os serviços e interesses gerais e corrupção e deslegitimação do sistema político-administrativo. Desse modo, a origem do sistema de mérito está vinculada à busca da superação da ineficiência e da corrupção.

La fundamentación tópica del sistema de mérito comprende los pasos siguientes: (a) Todos los ciudadanos son formalmente iguales frente al acceso a los cargos y empleos públicos, no siendo constitucionalmente admisible ninguna discriminación que no se halle fundada en el mérito exigible para el buen desempeño de aquellos; (b) La igualdad de acceso no implica necesariamente el acceso por mérito: el sistema de “patronazgo”, instaurado de modo general al inicio del Estado constitucional, se entendió compatible con el principio de igualdad; (c) Aunque la clase política tiende naturalmente al sistema de patronazgo, como éste propende a la incompetencia, ineficiencia y corrupción, tiene que surgir una presión de la opinión pública que obliga a los políticos a instaurar el sistema de mérito (aunque tal instauración se produzca de manera incremental, es decir, mediante un tiempo largo de convivencia desigual de ambos sistemas) (Catalá, 2000).
Na Alemanha, a instituição de um serviço público civil profissional (Derlien, 1991, pp. 385-402) pode ser datada de 1794, quando foi editado o Código de Funcionários da Prússia, lei constitucional que especificou os direitos e deveres dos servidores reais, redefinindo-os como servidores públicos e disciplinando suas relações de trabalho, nos termos do direito público. A proteção contra demissão arbitrária foi definida em 1823, garantindo estabilidade aos servidores. Em 1825, foi regulado o direito à pensão, bem como regulamentado o acesso à função pública.

Em 1873, após a declaração do Segundo Reich, o código do serviço civil tornou-se lei, sendo seus princípios incorporados à Constituição em 1918. Com a ascensão dos nazistas ao poder, tais garantias tornaram-se relativas, em função das medidas adotadas para assegurar a afinidade ideológica entre o serviço civil e o regime fascista. Em 1933, a Lei da Restauração do Serviço Civil Profissional serviu, dentro dos propósitos do novo regime de ajustar a alta administração a suas necessidades, para promover um grande expurgo racial e político no serviço civil superior.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Que interesses defendem os deputados/empresários? Representam o povo junto do sector ou os seus sectores e empresas junto do Estado?”

Transparência e Integridade Associação Civica Portuguesa
http://www.transparencia.pt/
Transparency International Downloads
http://www.transparency.org/publications/sourcebook
Alvitrando
http://alvitrando.blogs.sapo.pt/1842228.html
A Dita de Balde
TRANSPARÊNCIA E INTEGRIDADE
http://aditaeobalde.blogspot.com/2011/07/transparencia-e-integridade.html
Somos Olhão! divulga comunicado da TIAC saído hoje
http://somosolhao.blogs.sapo.pt/2011/07/
Transparência Org Brasil
http://www.transparencia.org.br/source/index.htm
fonte http://youtu.be/e1orEFqX6aA

http://youtu.be/nK7f1SzhBms

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Colômbia: Advogado Americano Activista dos Direitos Humanos Denuncia Massacre Colombiano Estilo NAZI, Genocídio de Populações Cumplicidade e Colaboração Activa dos EUA Livro “Cocaïne, Death Squads, War on Terror”, Cita Testemunho de Jornalista independente



O massacre colombiano

Julgava-se que a Guatemala detinha o primeiro lugar no continente americano no que diz respeito a massacres de massas. Mas o regime colombiano pulverizou este record e os EUA estão perfeitamente informados sobre a situação. Mais, são colaboradores, apoiantes e cúmplices activos dos fascistas colombianos que estão a levar a cabo o genocídio de populações indígenas.

Há muito que se julgava que a Guatemala detinha o primeiro lugar no continente americano no que diz respeito a massacres de massas na nossa época moderna – 200 000 vítimas nos anos 1980, em 94% dos casos assassinadas pelo Estado com o apoio de Washington e em aliança com os esquadrões da morte. Mas, infelizmente, constata-se agora que a Colômbia pulverizou este record e, conforme Wikileaks revela, os EUA estão perfeitamente informados sobre a situação.

Num telegrama de 19 de Novembro de 2009 intitulado “2009-2010 International Narcotics Control Strategy Report” (Relatório estratégico sobre o controlo internacional de narcóticos 2009-2010), a embaixada dos EUA em Bogotá reconhece, como dado acessório, a horrível verdade: foram registadas 257 089 vítimas dos paramilitares de extrema-direita. E, tal como Human Rights Watch assinalou no seu relatório anual de 2012 sobre a Colômbia, esses paramilitares continuam a actuar de braço dado com os militares apoiados pelos EUA.

Mesmo para aquele que conhecem a Colômbia este número é arrasador. A primeira vez que deparei com este número foi no livro “Cocaïne, Death Squads, and the War on Terror” (Cocaína, esquadrões da morte e a guerra contra o terrorismo), do qual falei neste sítio há algum tempo, e que cita um jornalista independente que afirma que cerca de 250 000 vítimas foram mortas pelo para-Estado colombiano. Nesse sublinha-se que este número foi ocultado porque as vítimas foram enviadas para salgadeiras ou para fornos crematórios de tipo nazi.

Fica agora a saber-se que há pelo menos dois anos os EUA têm conhecimento de tudo acerca destes crimes. O que não provocou qualquer mudança na política estado-unidense relativamente à Colômbia – o país receberá durante os próximos dois anos 500 milhões de dólares de ajuda destinada ao seu exército e à sua polícia – e não impediu Obama de defender, e de concretizar no ano passado, o Tratado de comércio livre com a Colômbia.

Tal como sucedeu na Guatemala nos anos 1980, a violência atingiu em particular as populações indígenas – facto reconhecido igualmente pela embaixada dos EUA nos telegramas revelados por Wikileaks. Esta violência dirigida contra indígenas continua aliás a aumentar. A embaixada estado-unidense reconhece-o num telegrama de 26 de Fevereiro de 2010 intitulado “Violence Against Indigenous Shows Upward Trend” (A violência contra indígenas manifesta tendência a crescer). Por causa desta violência há 34 grupos indígenas que se encontram á beira da extinção; portanto, esta violência pode ser classificada como genocida.

Este telegrama de 2010 explica que “os assassínios de indígenas aumentam pelo segundo ano consecutivo”, um aumento de 50% em 2009 relativamente a 2008. O telegrama explica ainda que “os indicadores de violência contra os indígenas agravaram-se novamente em 2009. Segundo a Organização nacional indígena de Colômbia (ONIC) as deslocalizações aumentaram 20% (de 3 212 para 3 649), os desaparecimentos forçados aumentaram mais de 100% (de 7 para 18), e as ameaças aumentaram mais de 3 000% (de 10 para 314). A ONIC regista igualmente um aumento no recrutamento forçado de menores por parte de todos os grupos armados ilegais, mas não fornece dados numéricos sobre este ponto.

A embaixada, baseando-se num estudo publicado pela antropóloga Esther Sánchez – estudo que o governo estado-unidense financiou -, assinala que os militares e paramilitares tomam os indígenas por alvo porque eles são “frequentemente vistos como colaboradores das FARC uma vez que coabitam nos mesmos territórios”; e é precisamente a presença de militares colombianos nos territórios indígenas que “transfere o conflito para o jardim dos indígenas”, o que constitui uma ameaça para a sua existência. Ora a embaixada recusa a ideia de uma retirada dos territórios indígenas por parte do exército colombiano, sublinhando que uma reivindicação nesse sentido apresentada pela tribo awa é “inaplicável”.

“Inaplicável”, explica a embaixada, porque este território necessita de estar sob controlo uma vez que contém numerosas riquezas. A embaixada estado-unidense reconhece explicitamente que “os investimentos de capital nos hidrocarbonetos”, bem como na borracha e na palmeira produtora de óleo – o que quer dizer exactamente os investimentos que explicam as decisões militares de Washington e o Tratado de comércio livre – conduzem directamente à violência contra os indígenas. E isto sucede, explica a embaixada, porque os povos indígenas “provavelmente não abandonariam terras tidas como sagradas nas suas identidades culturais”. Ou seja, que não franqueariam voluntariamente a porta à exploração capitalista.

Tudo isto mostra que os EUA e a Colômbia continuam a defender opções militares e a conduzir políticas económicas que, segundo a própria opinião dos EUA, conduzem a um genocídio. Na realidade é a própria embaixada estado-unidense que reconhece que o genocídio é absolutamente necessário para alcançar os seus objectivos.
Isto significa que os EUA mentem quando fingem interessar-se pelos direitos humanos. Os EUA têm o atrevimento de excluir Cuba da Cimeira das Américas por causa do direitos humanos; mas é o país que acolhe esta Cimeira – a Colômbia – que por todas as razões deveria ser apontado a dedo pelo seus resultados excepcionalmente maus no que diz respeito a direitos humanos. Na verdade, são os próprios EUA quem deveria ser denunciado, porque apoiam o brutal regime colombiano. Mas como são os EUA que domina o mundo, isso também pareceria “inaplicável”.

* Advogado norte-americano e activista dos Direitos Humanos

Publicado em: www.legrandsoir.info/le-massacre-colombien.html

http://www.odiario.info/?p=2404

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

SRWare Iron Cyber Security Privacy: Navegação Segura na Internet em Web Browser Open Source de Tecnologia Chromium com Privacidade e Segurança Download



SRWare Iron: a forma de proteger a tua privacidade online com um browser rápido, fiável e seguro

Nos dias  actuais da Troika Assassina,  do império do capital, neste Abominável " "Admirável Mundo Novo" da conspiração Bilderberg "Big Brother" do governo das sombras, com ACTA, SOPA, e tantas outras trampas que as corporações fascistas da política fascista global, os controladadores da trilateral inventam para controlar e manietar o comum cidadão, e em que os verdadeiros e grandes criminosos de colarinho e luva branca são uns senhores, e o pobre, só por ser pobre é criminoso. Num mundo que esconde a crise e a recuperação da economia da Islândia, a Ilha farol que rejeitou os remédios dos bandidos dos bancos. Num mundo que não mostra a Solução Islandesa, toda a segurança e cuidado são poucos, é precio resistir e lutar, e ninguém gosta de ser permanentemente alvo de voyerismo.

Ser permanentente vigiado? NÃO.


A privacidade é essencial, e um dos direitos do internauta que se encontra mais ameaçado hoje em dia.
Apresentamos um clone do Google Chrome, mas sem o controlo que o Google faz no Chrome!

Têm surgido grandes inovações no que diz respeito à navegação como, por exemplo, browsers com características bastante interessantes. Um deles é o Google Chrome, um browser bastante simples, rápido e prático no que diz respeito às funcionalidades principais. Mas, como não há bela sem senão, surge o principal problema, imposto pela equipa de design de Software da Google, aliado às mais recentes políticas de privacidade implementadas no motor de busca da gigante da Internet, que consiste numa vigilância constante e registo do que o utilizador efectua, ao longo da utilização do browser mencionado.

A intenção deste artigo não é a comparação dos browsers existentes no mercado, mas direcionar para um browser que, de forma eficiente, protege a sua privacidade e navegação na internet.
Digamos de forma prática, que o Google Chrome deriva diretamente do código fonte do Chromium, aquela que é a versão alternativa mais conhecida, em formato Open Source, do browser da Google.

Porém, existe uma alternativa com aspecto e funcionalidades idênticas que, de certa forma, corrige as falhas de privacidade do Chrome. E essa alternativa é o Iron, da SRWare.

Diferenças entre Google Chrome e SRWare Iron e soluções


Luta de Browsers Iron Vs Google Chrome

Comparativo entre navegadores de Internet a nível de privacidade e Segurança

As diferenças e soluções Cyber Privacy and Security

Problema Problemas Google Chrome Vantagens do Iron
ID de instalação Cada cópia do Google Chrome contém um número de instalação generalizado que será enviado para a Google após a instalação e primeiro uso. É apagado quando o Chrome verifica, pela primeira vez, por updates. Se o Chrome é recebido como parte de uma campanha promocional, ele pode gerar um número único promocional que é enviado para a Google no primeiro arranque e uso do browser. ID de instalação Não existe.
Sugestões Dependendo da configuração, cada vez que coloca palavras-chave na barra de endereço do Chrome, esta informação é enviada para a Google para fornecer sugestões Não existe
Páginas de erro alternativas Dependendo da configuração, se escreveu um endereço falso na barra de endereço, este é enviado para a Google e você obtém uma mensagem de erro dos servidores do Google. Não existe
RLZ-racking Esta função do Chrome transmite informação que é codificada e enviada para a Google, por exemplo, sobre onde e quando o Chrome foi descarregado Não existe
Google Updater O Chrome instala um actualizador, que é carregado em cada arranque do Windows Não existe
Relatórios
de erros
Dependendo da configuração, detalhes sobre ‘crashes’ ou falhas podem ser enviados para os servidores da Google. Não existe
URL-tracker É iniciado em ‘background’, dependendo da configuração, 5 segundos depois de ser iniciada a página principal do Google. Não existe

Diferenças dos browsers


Comparativo entre navegadores de Internet:

web browsers Google Chrome Versus Iron

Melhorias no Iron Internet browser

Desvantagens no Google Chrome São Vantagens no Iron
Bloqueador
de Publicidade
O Chrome não possui um bloqueador interno de publicidade O Iron possui um bloqueador interno, facilmente configurável através de um ficheiro único.
User-Agent A funcionalidade User-Agent no Chrome é alterável, apenas mediante alguns parâmetros sobre um link ou comando, o que não é o ideal para uso permanente A funcionalidade User-Agent no Iron é muito flexível, e pode ser alterada de forma permanente.

Download do Navegador de Internet Iron Web Browser

** Chrome and Google are registered trademarks of Google Inc.


Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Coimbra Portugal Militar Capitão de Abril Defende Solução Islandesa: Prisão de Políticos, e Banqueiros! O Coronel Otelo Volta a Defender Intervenção das Forças Armadas Para Resolução da Perda de Soberania e Devolução do Poder ao Povo



Palestra em Coimbra
O Coronel Otelo Saraiva de Carvalho volta a defender atuação das Forças Armadas



“Quando há perda de soberania, as Forças Armadas têm que actuar. Esta perda de soberania é tão marcante que estão a ser atingidos limites. Quando esses limites forem ultrapassados, aí, as Forças Armadas terão que actuar, em minha opinião, com uma operação militar que derrube o Governo que está, mesmo apesar de eu saber que o Governo foi eleito”, disse Otelo, ontem, em Coimbra, à margem de uma palestra no Instituto de Contabilidade e Administração.

O “capitão de Abril” aproveitou a ocasião para elogiar a solução encontrada pelos islandeses, que saíram de uma crise gravíssima.

A Islândia é um caso notável porque tinha uma dívida enormíssima e o povo islandês prendeu os políticos, prendeu os banqueiros, disse que não pagava dívida nenhuma e com um poder popular emergente as assembleias foram sendo feitas e elegeram uma comissão para elaborar uma nova Constituição”, acrescentou.



O coronel Otelo Saraiva de Carvalho afirmou esta quarta-feira à noite, em Coimbra, que só as Forças Armadas, em nome do povo, poderão resolver o problema da perda de soberania de Portugal

Para o "Capitão de Abril", tal como o que se passava com o governo socialista liderado por José Sócrates, com atual executivo "há esta submissão grande em relação à grande potência atual da Europa que é a Alemanha", com "uma perda de alta soberania" de Portugal.

Ao proferir uma palestra no Instituto de Contabilidade e Administração de Coimbra (ISCAC) sobre "As Forças Armadas na Defesa da República e da Democracia Portuguesa", Otelo disse que àqueles que reclamam um novo 25 de Abril responde "sem dúvida que era necessário".

"Esta perda de soberania é tão marcante que, foi por isso que eu disse, estão a ser atingidos limites. Quando esses limites forem ultrapassados... E aqui, nesta ligação constitucional das Forças Armadas ao povo, com as Forças Armadas ao lado do povo, em defesa do povo português, aí de facto as Forças Armadas terão que atuar", sustentou.

Para Otelo Saraiva de Carvalho essa atuação das Forças Armadas passaria por "uma operação militar que derrube o Governo que está" em funções.

"Mesmo apesar de eu saber que o Governo foi eleito. Mas foi eleito em que condições? E atualmente há satisfação dos portugueses em relação ao poder que foi eleito? E se houver outras eleições haverá satisfação? Não!", responde aquele que foi um dos protagonistas da revolução democrática do 25 de Abril, em 1974,

No seu entendimento, "quando há perda de soberania, perda de independência nacional, as Forças Armadas têm de atuar".

No início de janeiro, o Ministério Público abriu um inquérito relacionado com declarações deáOtelo Saraiva de Carvalho, que, numa entrevista à agência Lusa publicada em novembro, falou na possibilidade de haver um golpe militar, caso fossem "ultrapassados os limites".

Na intervenção em Coimbra, Otelo Saraiva de Carvalho considerou também que a "esperança que o 25 de Abril abriu está a morrer e está a ser passada de [certa] forma uma certidão de óbito total" àquilo que representou a revolução.

"Há uma infração permanente às disposições constitucionais por parte dos sucessivos governos e, sobretudo, que vão atingir os direitos sociais dos trabalhadores", acrescenta.

Para Otelo Saraiva de Carvalho, o que se está a passar é mais uma consequência da falta de audácia do Movimento das Forças Armadas (MFA) no período revolucionário.

"Nós, MFA, tínhamos o poder na mão, de nos afirmarmos como um país soberano, como um exemplo dado ao mundo, notável, que foi a descolonização, sem ponta de neocolonialismo nosso, no estabelecimento de relações fraternas", acentuou.

Este coronel na reserva considerou a Islândia "um caso notável" de reação popular recente.

"O povo prendeu os políticos, prendeu os banqueiros, disse que não pagava dívida nenhuma, que a culpa não era do povo, e com o poder popular emergente elegeram uma comissão para elaborar uma nova Constituição", concluiu.

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Portugal Acampamento Actua Protestos Portugueses Contra Construção Barragem EDP Activistas em Defesa Rio e Comboios da Linha do Tua: Comunicado de Imprensa Dia Internacional de Acção Pelos Rios



Comunicado de imprensa II

Comunicado de imprensa
14 de Março de 2012

Dia Internacional de Acção pelos Rios
“Nem mais uma barragem – Actua!”

Participantes no acampamento Actua invadiram hoje as obras da barragem da EDP, em protesto contra a destruição do Rio Tua. Atravessando o rio no local onde este está a ser destruído, quatro jovens entraram na zona da construção, exibindo uma faixa com a mensagem “NEM MAIS UMA BARRAG€M – ACTUA!”.

Para marcar o Dia Internacional de Acção pelos Rios, mais de 20 pessoas fizeram um piquenique junto ao rio Tua e aos trabalhos da barragem, para denunciar o crime ambiental e social que está em curso. Noutra faixa lia-se “Quantos mais rios é preciso matar?”

De manhã foi montada uma instalação na estação de comboios do Tua. A cooperativa de produção cultural Inflama, do Porto, juntou-se assim ao protesto. Um homem sentado no banco da estação espera eternamente a chegada do comboio da linha do Tua – uma linha centenária e única, fundamental para as populações da região, que foi desactivada e que vai desaparecer com a barragem.

Em defesa de um dos mais belos redutos selvagens do país, teve também lugar o fórum “Rios, o local é global”, com o propósito de trazer ao dialogo a importância dos rios para a região. Concluiu-se que o Plano Nacional de Barragens traz danos irreversíveis, e que a partilha de recursos, a diminuição do consumo e a eficiência energética poupariam este rio da destruição a que está a ser sujeito.

Mais de 70 pessoas já passaram pelo acampamento que está a acontecer desde o dia 10 em Foz-Tua, pelo fim da construção da barragem da EDP. O Actua apela a todos e a todas a juntarem-se à concentração agendada para sábado, dia 17, que se espera ser o maior protesto de sempre em Foz-Tua contra a construção da barragem.

Mais informações fonte
http://acampamentoactua.wordpress.com/2012/03/14/comunicado-de-imprensa-ii/

Contacto:
acampamentoactua@gmail.com
Telemovel 964366575






Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Assassino Económico Arrependido! Greg Smith CEO Objector de Consciência Acusa Goldman-Sachs de Vigarice! Carta de Demissão do Banqueiro Ex Director Executivo Europa, EUA Médio Oriente e África



Greg Smith renunciou hoje como director executivo do Goldman Sachs e chefe da firma de negócios Estados Unidos e derivados na Europa, Oriente Médio e África. (United States equity derivatives business in Europe, the Middle East and Africa.).

Traduzimos e reproduzimos abaixo a carta de Greg Smith, publicada no NY Times com o título Why I am Leaving Goldman Sachs, na Business Insider's Joe Wiesenthal chamou-lhe "the buzzy Wall Street story of the day" and "sure to be another PR nightmare for Goldman Sachs.", no Huntington post Michael Calderone escreve Greg Smith's Goldman Sachs Resignation Letter Was 'Vetted' By New York Times". O the Times' own DealBook esteve live-blogging the fallout.


Leva muito tempo para que as pessoas cheguem à triste constatação de que o lugar onde e a que têm dedicado a sua carreira, está moralmente falido, e não é digno do seu tempo ou energia. Mr. Smith percebeu isso, e abandonou o navio de forma digna, expondo grande parte da cultura com a qual se encontra desalinhado, e esperando que o seu abandono sirva para mudança de rumo. Isso requer muita coragem e caracter.

A carta de Mr. Smith

Por que estou deixando a Goldman Sachs

Hoje é meu último dia na Goldman Sachs. Após quase 12 anos na empresa - primeiro como estagiário durante o verão, quando me encontrava n Stanford, DEPOIS, em Nova York durante 10 anos, e agora em Londres - Eu acredito que já trabalhei aqui (Goldman Sachs) tempo suficiente para compreender a trajetória da sua cultura, o seu pessoal e a sua identidade. E eu posso dizer honestamente que o ambiente agora é do mais tóxico e destrutiva que eu já vi.

Para colocar o problema em termos mais simples, é precizo dizer que os interesses dos clientes continuam a ser marginalizados na forma como a firma opera e pensa acerca do modo como ganhar dinheiro. Goldman Sachs é um dos maiores e mais importantes bancos mundiais de investimento e é também parte integrante e com demasiada importância no sistema financeiro global para continuar a agir desta forma. A firma desviou-se para tão longe do lugar onde eu entrei logo após a faculdade que já não posso em sã consciência, dizer que me identifico com o que ele representa.

Pode parecer surpreendente para um público céptico, mas esta cultura sempre foi uma parte vital do sucesso Goldman Sachs. O sucesso Goldan Sachs girava em torno do trabalho de equipa, da integridade, do espírito de humildade, e de agir sempre correctamente para com os nossos clientes. Esta cultura foi o tempero segreto que tornou grande lugar e nos permitiu ganhar a confiança dos nossos clientes durante 143 anos. Não foi apenas o ganhar dinheiro, só isto não sustenta uma empresa durante tanto tempo. Tinha algo a ver com orgulho e crença na organização. Estou triste ao dizer que hoje olho em redor, e não vejo praticamente nenhum vestígio da cultura que me fez amar trabalhar nesta empresa durante muitos anos. Eu já não tenho mais o orgulho, nem a crença.

Mas isso não foi sempre o caso. Por mais de uma década eu recrutadei e orientei os candidatos através do nosso cansativo processo de entrevista. Fui escolhido como uma das 10 pessoas (top 10 de uma empresa de mais de 30.000) para aparecer no nosso vídeo de recrutamento, que é visionado em todos os campus das faculdades que visitamos em todo o mundo. Em 2006 eu geri o programa de verão de estágios em vendas e negociação, em Nova York para os 80 estudantes universitários que foram selecionados, dos milhares que se candidataram.

Eu sabia que era hora de ir embora quando percebi que não conseguia mais olhar nos olhos dos alunos e dizer-lhes que este era um óptimo lugar para trabalhar.

Quando forem escritas os livros de história acerca da Goldman Sachs, deverão refletir que o atual chefe executivo, Lloyd C. Blankfein, e o presidente, Gary D. Cohn, perderam tempo na esperança da cultura da empresa. Eu realmente acredito que este declínio na fibra moral da empresa representa a ameaça mais séria à sua sobrevivência a longo prazo.

Ao longo da minha carreira eu tive o privilégio de aconselhar dois dos maiores fundos de hedge do planeta, cinco dos maiores gestores de ativos nos Estados Unidos, e três dos mais importantes fundos soberanos do Médio Oriente e Ásia. Meus clientes têm uma base de ativos total de mais de um trilhão de dólares. Eu tive sempre muito orgulho em aconselhar os meus clientes a fazer o que eu acredito que é melhor para eles, mesmo que isso signifique menos dinheiro para a empresa. Esta visão está se tornando cada vez mais impopular na Goldman Sachs. Outro sinal de que era hora de sair.

Como chegamos aqui? A empresa mudou a forma como pensava acerca da liderança. Liderança costumava ser a cerca de ideias, dando o exemplo e fazendo a coisa certa. Hoje, se você ganhar dinheiro suficiente para a empresa (e não ser atualmente um assassino), você será promovido a uma posição de influência.

Quais são as três maneiras rápidas para se tornar um líder?

a) Executar dentro dos "eixos" da empresa, que consiste, falando em linguagem Goldman Sachs, em convencer os nossos clientes a investir em ações ou outros produtos de que nos estamos tentando livrar, porque eles não são vistos como tendo muito lucro potencial.

b) "Hunt Elefants" (Caçar Elefantes) traduzido em Inglês corrente: obtenham os vossoss clientes - alguns dos quais sofisticados, e alguns dos quais não sofisticados - para negociar o que quer que seja, isso trará maior lucro para a Goldman. Chamem-me antiquado, mas eu não gosto de vender aos meus clientes um produto que é errado para eles.

c) Você encontrar-se sentado enuma cadeira, onde o seu trabalho é o comércio de qualquer produto, sem liquidez, opaco e com uma sigla de três letras.

Hoje, muitos desses líderes exibem um quociente cultural Goldman Sachs (original) de exatamente zero por cento. Eu assisti às reuniões de vendas de derivados, onde nem um só um minuto é gasto a fazer perguntas sobre como podemos ajudar os nossos clientes. É puramente acerca de como podemos fazer mais dinheiro com eles. Se você fosse um alienígena de Marte e se senta-se numa dessas reuniões, você acreditaria que o sucesso dos clientes ou o progresso não faz parte de qualquer  fase do processo de pensamento.

Faz-me mal (fico doente) com a forma como insensivelmente as pessoas falam acerca de riparem totalmente os seus clientes. Nos últimos 12 meses eu já vi cinco directores diferentes referirem-se aos seus próprios clientes como "muppets" (marretas), às vezes em e-mails internos. Mesmo após a S.E.C, Goldman's Fabulous Fab (Fábula Fabulosa da Goldman Sachs, em que esta espera ser o único a ficar de pé após o colapso financeiro), Abacus, God's Work (a obra de Deus), Carl Levin, Vampire Squids (Lulas vampiro)? Sem humildade? Quero dizer, vamos lá. Integridade? Ela está em erosão. Eu não sei da existência de qualquer comportamento ilegal, mas as pessoas vão empurrando os envelopes lucrativos de produtos complicados e passando-os para os clientes mesmo que eles não se encontrem entre os investimentos mais simples ou os mais directamente alinhados com os objectivos do cliente? Absolutamente. Na verdadeacontece todos os dias.

Surpreende-me a forma como a pequena gerência sénior recebe uma verdade básica qué é: Se os clientes não confiam em você, eles acabarão por deixar de fazer negócios consigo. Não importa o quão inteligente você é.

Estes dias, a pergunta mais comum que recebo dos analistas mais novos, acerca de derivativos é, "Quanto dinheiro nós fizemos do cliente?" Incomoda-me cada vez que eu o ouço dizer, porque é um reflexo claro do que eles estão observando acerca do comportamento dos seus líderes sobre a forma como eles se devem comportar. Agora projetar 10 anos no futuro: Você não tem que ser um cientista de foguetões para descobrir que o analista júnior calmamente sentado no canto da sala de audiências, ouvindo falar sobre "muppets" (marretas), "rasgando olhos para fora das órbitas" e "sendo pagos exatamente para isso", não se vai tornar num cidadão modelo.

Quando eu era um analista do primeiro ano eu não sabia onde era o banheiro, ou como amarrar meus sapatos. Fui ensinado a me preocupar com a aprendizagem das cordas, descobrir o que era um derivado financeiro, a compreender as finanças, a conhecer os nossos clientes e a saber o que os motivou, a aprender como eles definem o sucesso e o que poderíamos fazer para ajudá-los a o atingir.

Os melhores momentos da minha vida (em que mais me orgulho) - recebendo uma bolsa integral para ir da África do Sul para a Universidade de Stanford, sendo selecionado como um bolseiro nacional, finalista da Rhodes, ganhando uma medalha de bronze em tênis de mesa nos Jogos Maccabiah em Israel, conhecido como os Jogos Olímpicos judeus - tendo tudo vindo através do trabalho duro, sem atalhos. Goldman Sachs, hoje, tornou-se demasiadamente assente em atalhos e insuficiente acerca da realização. Já não está bem para mim.

Espero que esta possa ser uma wake-up call (chamada de atenção) para o conselho de administração. Façam do cliente o foco de atenção do vosso negócio novamente. Sem clientes vocês não vão ganhar dinheiro. Na verdade, vocês não vão existir. Eliminem as pessoas moralmente falidas, não importa quanto dinheiro eles fazem para a empresa. E retomem novamente a cultura direita (fazer o que está certo), para que as pessoas queiram trabalhar aqui pelas razões certas. Pessoas que se preocupam apenas em ganhar dinheiro não vão sustentar esta empresa - ou a confiança de seus clientes - por muito mais tempo.

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Crise Portuguesa Estudos Portugueses Sobre Economia Social Política da Troika PSD CDS: Destruição dos Estabilizadores Sociais Agrava Pobreza e Miséria em Portugal, Pelo Economista Eugénio Rosa



A actual sociedade dita "democrática", encontra-se dominada por máfias representativas de grandes interesses ocultos. A sociedade encontra-se refém dos interesses das grandes corporações multinacionais, e como tal, a maior parte da informação divulgada sobre a política, a economia e a sociedade portuguesa nos media é dominada pelo pensamento neoliberal, porque é este que tem acesso privilegiado aos media, e os controla. Este domínio corruptor perverso é tão grande que atinge os próprios meios académicos podendo-se falar, com firrmeza, de um pensamento económico único dominante, dominado pelas grandes corporações. Quem esteja familiarizado com a ciência económica, sabe bem que a economia não está acima dos interesses da sociedade no todo, e o neoliberalismo defende os interesses do poder económico especulativo dominante nas mortíferas sociedades capitalistas actuais.

Segue o estudo

A destruição dos estabilizadores automáticos em Portugal agrava a pobreza e a miséria

Para se poder ficar com uma ideia mais clara dos efeitos sociais e mesmo económicos dramáticos da politica de austeridade cega que está a ser imposta ao país, pelos estrangeiros com a colaboração activa e empenhada dos seus peões internos, interessa analisar os efeitos sociais daqueles estabilizadores automáticos na redução da pobreza em Portugal.

Segundo o inquérito realizado pelo INE às “Condições de vida e de rendimento dos portugueses”, cujos resultados foram divulgados recentemente, 17,9% dos portugueses vivem já no limiar da pobreza. No entanto, se forem eliminadas as transferências sociais garantidas fundamentalmente pela Segurança Social, essa percentagem sobe para 43,4%, o que corresponde a 4,6 milhões de portugueses. E mesmo mais de meio milhão de trabalhadores com emprego vivem no limiar da pobreza devido aos baixos salários que recebem. De acordo também com o INE, após as transferências sociais, 10,3% dos trabalhadores empregados viviam no limiar da pobreza, 37% dos desempregados estavam na mesma situação. E isto refere-se ao ano de 2009, pois a situação actual deverá ser muito mais grave, pois com a destruição crescente dos estabilizadores sociais como se conclui rapidamente dos dados constantes do quadro 1, elaborado com base nos Relatórios que companham os Orçamento do Estado dos diversos anos, muitos mais milhares de portugueses foram lançados na miséria.

Quadro 1 – Destruição dos estabilizadores automáticos sociais em Portugal

RUBRICAS 2010 Milhões euros € 2011 Milhões euros € 2012 Milhões euros € Valor de 2012 a preços de 2010 Milhões € Variação em % 2010-2012 em valores nominais Variação entre 2010 e 2012 em termos reais
Subsidio de desemprego,
apoio desemprego, lay-off
2.221 2.067 2.046 1.886 -7,9% -15,1%
Subsidio de
doença
447 456 427 394 -4,6% -12,0%
Abono de
família
968 659 656 605 -32,3% -37,5%
Rendimento Social de
Inserção
520 422 370 341 -28,8% -34,4%
Outras
prestações
808 840 777 716 -3,9% -11,4%
Complemento Sol. Idoso 265 272 275 253 3,6% -4,4%
SOMA 5.229 4.716 4.551 4.194 -6,5% -19,8%

FONTE: Relatórios do Orçamento do Estado – 2010/2012

Entre 2010 e 2012, as despesas da Segurança Social com os estabilizadores automáticos constantes do quadro 1- subsidio de desemprego, de doença, abono de família, RSI, outras prestações e complemento solidário para idoso – diminuem -6,5% em valores nominais, o que corresponde a uma redução de 678 milhões €; mas se a análise for feita em termos reais, ou seja, deduzindo o efeito do aumento de preços, o corte nestas despesas sociais é muito maior, atingindo -19,8%, o que corresponde a menos 1.035 milhões € do que em 2010. Mas existem prestações onde o corte é ainda maior: Por ex., no abono de família, o corte na despesa atinge -32,3% em valores nominais e -37,5% em valores reais, o que revela bem que a defesa das famílias com filhos, por parte deste governo e, nomeadamente, pelo CDS, serve apenas para enganar os eleitores; igualmente a nível do RSI, o corte na despesa atinge -28,8% em valores nominais, e -34,4% em valores reais.

Dados de natureza física confirmam os efeitos dramáticos da politica de destruição dos estabilizadores sociais e, consequentemente, também de direitos de cidadania. Assim, entre Abril de 2010 e Dezembro de 2011, o número de crianças a receber abono de família diminuiu de 1.739.557 para 1.372.811, e só durante o ano de 2011 a taxa de cobertura do subsidio de desemprego (percentagem que os desempregados a receber subsidio de desemprego representam em relação ao total dos desempregados), em relação ao desemprego oficial, caiu, entre o 1º Trimestre e o 4º Trimestre de 2011, de 42,7% para 41,1% e, relativamente ao desemprego efectivo, passou, durante o mesmo período, de 29,2% para apenas 27,3%, o que significa que apenas 27 desempregados em cada 100 estão a receber o subsidio de desemprego. E o governo PSD/CDS ainda quer diminuir mais este numero, pois aprovou uma lei que altera a lei do subsidio de desemprego, reduzindo o período de tempo em que o desempregado tem direito a receber o subsidio de desemprego. A juntar a isto, interessa referir a decisão desumana tomada pelo ministro da solidariedade do CDS visando obrigar 117.000 pensionistas, que recebem pensões mínimas, a devolver uma parcela dos valores recebidos e com retroactividade a 2007 o que, a concretizar-se, determinará que tenham de devolver valores superiores às pensões que recebem (pensões entre os 500€ e 400€ serão reduzidas para valores entre os 400€ e 300€, portanto inferiores mesmo ao limiar da pobreza.

A agravar a situação está também a destruição dos estabilizadores automáticos em espécie, em que os mais importantes são os serviços de saúde e os de educação. Depois dos contínuos cortes nas transferências do Orçamento do Estado para o SNS (segundo informação dada pelo Ministério da Saúde à Assembleia da República, entre 2010 e 2011, as transferências do OE para o SNS diminuíram de 8.698 milhões € para 8.100 milhões e, ou seja, em 598 milhões €), e em 2012, conforme consta do “Memorando “ revisto em Dezembro de 2011, a ”troika estrangeira” e o governo PSD/CDS pretendem reduzir a despesa com a saúde em mais 1.000 milhões € (na versão inicial do “Memorando” estava previsto um corte, em 2012, de 500 milhões €). Uma situação muito semelhante verifica-se a nível da educação pública. Segundo o Relatório do OE-2012, entre 2010 e 2011, a despesa pública com a educação diminuiu de 8.559,2 milhões € para 8.129,5 milhões € (- 429,7 milhões €) e, em 2012, pretende reduzir para 6.579 milhões €, ou seja, cortar mais 1.550,5 milhões €. É evidente que estes cortes brutais na despesa pública de saúde e de educação, associados a aumentos muito elevado dos preços (as taxas moderadoras aumentaram, em média, 100% em 2012), vão agravar ainda mais dificuldades em que já vivem centenas de milhares de famílias portuguesas.

O GOVERNO E TROIKA CORTAM NAS DESPESAS SOCIAIS MAS QUEREM PERDOAR 5.437 MILHÕES € DE DIVIDAS Á SEGURANÇA SOCIAL E AS DIVIDAS AO FISCO ATINGEM 18.000 MILHÕES €

A justificação apresentada pelo governo PSD/CDS para esta politica de cortes elevados nas prestações sociais, com a consequente destruição de direitos de cidadania, é que as despesas sociais são incomportáveis para a Segurança Social. No entanto, enquanto faz cortes significativos nas prestações sociais, na educação e na saúde, o governo PSD/CDS prepara-se para perdoar ou anular milhares de milhões de euros de dividas à Segurança Social.

De acordo com Relatório do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado de 2010 (pág.177, vol.

I), no fim de 2010, o valor bruto das dividas de terceiros – Curto e Médio/Longo Prazo – à Segurança Social já atingia 7.270,1 milhões €, e o governo já tinha constituído uma provisão de 5.437,7 milhões €, com o objectivo de anular/perdoar 74,8% do valor dessa divida, o que representará, a concretizar-se, uma gravíssima descapitalização da Segurança Social, para não dizer mesmo roubo aos trabalhadores, porque uma parcela importante daquela divida é constituída por descontos que foram feitos nos salários dos trabalhadores e que depois não foram entregues na Segurança Social. E a situação actual neste campo ainda deverá ser mais grave, pois desde 2010 as dividas à Segurança Social não pararam de crescer, e o governo PSD/CDS, durante o debate do Orçamento de Estado para 2012 não deu qualquer informação à Assembleia da República sobre esta situação, e os órgãos da Segurança Social, em que participam os parceiros socais, estão paralisados não se reunindo há vários anos.

Uma situação muito semelhante verifica-se a nível de dividas fiscais. Segundo o Relatório do Tribunal de Contas, as dividas ao fisco, no fim de 2010, já atingiam 17.398 milhões €, estando a aumentar cerca de 500 milhões € por ano, o que significa que actualmente as dividas devem rondar os 18.000 milhões €. No período 2005-2010, segundo também o Tribunal de Contas, as prescrições de dividas fiscais somaram 3.777 milhões €, ou seja, em média 629,5 milhões €/ano.

Está-se perante uma politica de dois pesos e duas medias: Fazem cortes brutais nas despesas sociais agravando as condições de vida de centenas de milhares de famílias portuguesas que vivem já com muitas dificuldades, mas simultaneamente pretende perdoar 5.437 milhões € de dividas à Segurança Social, não se cobram cerca de 18.000 milhões € de dividas fiscais, e deixam-se prescrever 3.777 milhões € de dividas fiscais só no período 2005-2010.
Eugénio Rosa
Economista , edr2@netcabo.pt
8.3.2012

A destruição dos estabilizadores automáticos em Portugal agrava a pobreza e a miséria PDF
Eugénio Óscar Garcia da Rosa, Mestrado em Comunicação pelo ISCTE e pela Universidade Aberta, e com Pós-Graduação em Fundos de Pensões e Seguros pelo ISEG da Universidade Técnica de Lisboa tendo entregue, em 16.12.2011, no ISEG a tese "Grupos Económicos e Desenvolvimento em Portugal no contexto da Globalização"...
Eugénio Rosa – Economista - Eugénio  Rosa Faqcebook

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Combustíveis Europa: Gasolina Gasóleo Gás e Electricidade Familias Portuguesas Pagam dos Preços Mais Elevados Zona Euro Comparativo Portugal UE, Dados EEP Portal Europeu de Energia Eurostat



Energia e Combustíveis mais caros em Portugal que na União Europeia

Preços da energia em Portugal – combustíveis, electricidade e gás – são muito superiores aos da UE27

PREÇO DA ENERGIA EM PORTUGAL É MUITO SUPERIOR À MEDIA DA UE27: Combustíveis em média, +5% (gasolina) e +7% (gasóleo); electricidade:+13,6%; gás: entre+ 21% e +38%
O preço da energia pago pelas famílias em Portugal é muito superior ao preço médio dos países da União Europeia. E não se pense que são apenas os combustíveis, que têm merecido a atenção dos órgãos de informação. A situação é ainda mais grave em relação à electricidade e ao gás natural. Vamos provar isso, utilizando dados divulgados pelo Portal Europeu de Energia. E para que depois as empresas e seus defensores não possam vir com a desculpa “esfarrapada” que a culpa é da elevada carga fiscal que existe em Portugal, como habitualmente fazem com o propósito de enganar a opinião pública, vamos utilizar, para fazer a comparação, preços sem impostos (sem IVA ou/e sem ISP), ou seja, preços que revertem totalmente para as empresas, e que constituem a fonte dos seus lucros.


Gráfico de hoje
Os preços são tirados do Portal Europeu de Energia, e neste gráfico que tem os preços para o consumidor doméstico com consumos mais baixos, Portugal aparece com 10 países à sua frente (com electricidade mais cara). Agora vejamos este gráfico  abaixo, relativo á primeira metade do ano 2011 (altura em que o IVA ainda não era de 23%):

Verificamos que Portugal, até esta altura não tinha um preço final elevado relativamente ao resto dos países, notando-se contudo que o peso das taxas além do IVA é dos mais elevados, mostrando que há um peso excessivo de custos extra no preço final da nossa electricidade.

Vejam agora, os gráficos com os preços actuais da gasolina sem chumbo e do gasóleo, informações retiradas do Eurostat


 

Seguem as tabelas

Portal Europeu de Energia: Tabela comparactiva de Preços actuais cobrados por litro de combustivel
Actual prices per one liter of fuel.
Download monthly average retail prices for European countries in convenient Excel sheets. From January 2000 thru February 2012.







March
13, 2012
Gasolina sem chumbo 95 Unleaded (Superbleifrei, Euro sans plomb, Euro95) Diesel (Gazole, Gasóleo)
Country
Preço de Revenda
Retail Price
Preço sem IVA
Price (Excluding VAT)
Preço de Revenda
Retail Price
Peço sem IVA
Price
(Excluding VAT)
Austria
1.425
€ 1.188
1.395
€ 1.163
Belgium
1.730
€ 1.430
1.545
€ 1.277
Bulgaria
1.344
2.63
лв.
€ 1.120 2.19 лв.
1.369
2.68
лв.
€ 1.141 2.23 лв.
Cyprus
1.337
€ 1.143
1.365
€ 1.167
Czech Republic
1.482
36.50
€ 1.235 30.42 Kč
1.498
36.90
€ 1.248 30.75 Kč
Denmark
1.818
13.52
kr
€ 1.454 10.82 kr
1.648
12.25
kr
€ 1.318 9.80 kr
Estonia
1.390
€ 1.158
1.365
€ 1.138
Finland
1.656
€ 1.346
1.570
€ 1.276
France
1.667
€ 1.394
1.485
€ 1.242
Germany
1.657
€ 1.392
1.520
€ 1.277
Greece
1.747
€ 1.420
1.552
€ 1.262
Hungary
1.468
431
Ft
€ 1.156 339 Ft
1.492
438
Ft
€ 1.175 345 Ft
Ireland
1.604
€ 1.304
1.553
€ 1.263
Italy
1.822
€ 1.506
1.733
€ 1.432
Latvia
1.402
Ls
0.977
€ 1.149 Ls 0.801
1.385
Ls
0.965
€ 1.135 Ls 0.791
Lithuania
1.390
Lt
4.80
€ 1.149 Lt 3.97
1.337
Lt
4.62
€ 1.105 Lt 3.82
Luxembourg
1.415
€ 1.230
1.276
€ 1.110
Malta
1.450
€ 1.229
1.360
€ 1.153
Netherlands
1.822
€ 1.531
1.501
€ 1.261
Poland
1.379
5.66
€ 1.121 4.60 zł
1.391
5.71
€ 1.131 4.64 zł
Portugal
1.714
€ 1.393
1.514
€ 1.231
Romania
1.313
5.72
lei
€ 1.059 4.61 lei
1.352
5.89
lei
€ 1.090 4.75 lei
Slovakia
1.532
€ 1.277
1.463
€ 1.219
Slovenia
1.463
€ 1.219
1.343
€ 1.119
Spain
1.438
€ 1.219
1.375
€ 1.165
Sweden
1.723
15.38
kr
€ 1.378 12.30 kr
1.690
15.09
kr
€ 1.352 12.07 kr
United Kingdom
1.666
£
1.392
€ 1.388 £ 1.160
1.761
£
1.471
€ 1.468 £ 1.226
EU AVERAGE
1.550
€ 1.281
1.475
€ 1.219


Gás Natural preços de retalho (consumidor final) uso doméstico
Gás Natural Retail (end-user) energy prices for households.
Foram identificados dois níveis de consumo
Os dados relativos aos preços mencionados podem não refletir os dados mais recentes encontrados nas edições comerciais (pagas).

Two consumption levels are identified. Research methodology.
Price data mentioned may not reflect the latest insights found in the commercial editions.
Reference month: November, 2011.
Historical price data going back to the year 2000, visit EU Energy History (o

Consumo: 15,000 kWh/ano ou 1,400 m3 de gas (± 25%)
Consumption: 15,000 kWh/year or 1,400 m3 of gas (± 25%)
Consumo: 30,000 kWh/ano ou 2,800 m3 de gas (± 30%)
Consumption: 30,000 kWh/year or 2,800 m3 of gas (± 30%)
país
Country
preço
€ per kWh Natural Gas
país
Country
preço
€ per kWh Natural Gas
Austria € 0.0630 Austria € 0.0568
Belgium € 0.0646 Belgium € 0.0576
Bulgaria € 0.0456 Bulgaria € 0.0464
Cyprus No data Cyprus No data
Czech Republic € 0.0540 Czech Republic € 0.0514
Denmark € 0.1166 Denmark € 0.1166
Estonia € 0.0425 Estonia € 0.0419
Finland No data Finland No data
France € 0.0622 France € 0.0524
Germany € 0.0615 Germany € 0.0604
Greece No data Greece No data
Hungary € 0.0590 Hungary € 0.0565
Ireland € 0.0573 Ireland € 0.0525
Italy € 0.0831 Italy € 0.0720
Latvia € 0.0421 Latvia € 0.0417
Lithuania € 0.0483 Lithuania € 0.0428
Luxembourg € 0.0515 Luxembourg € 0.0526
Malta No data Malta No data
Netherlands € 0.0772 Netherlands € 0.0730
Poland € 0.0552 Poland € 0.0491
Portugal € 0.0684 Portugal € 0.0596
Romania € 0.0301 Romania € 0.0291
Slovakia € 0.0469 Slovakia € 0.0465
Slovenia € 0.0735 Slovenia € 0.0692
Spain € 0.0590 Spain € 0.0555
Sweden € 0.1134 Sweden € 0.1040
United Kingdom € 0.0465 United Kingdom € 0.0399
Notes:
- Preço do utilizador final, inclui todos os impostos.
 - Valor é em euro (€) por kiloWatthour (kWh).
 - Média UE poder calorífico 38,48 (MJ/m3)
 - Não há dados disponíveis do preço do gás para a Grécia, Chipre, Malta e Finlândia.
 - Os dados de preços para fora da zona euro estão em países do euro. A taxa de câmbio média válida para o mês de referência é aplicada.
 - End-user price, includes all taxes.
- Amount is in euro (€) per kiloWatthour (kWh).
- EU Average Gross Calorific Value 38.48 (MJ/m3)
- There is no gas price data available for Greece, Cyprus, Malta and Finland.
- Price data for non-eurozone countries are in euro. The average exchange rate valid for the referenced month is applied.

Electricidade
Retalho Consumo doméstico

Retail (end-user) energy prices for households.
Two consumption levels are identified. Research methodology.
Price data mentioned may not reflect the latest insights found in the commercial  editions.
Reference month: November, 2011.
Historical price data going back to the year 2000, visit EU Energy History














Consumption: 3,500 kWh/year (±25%) Consumption: 7,500 kWh/year (±30%)
Country

per kWh Electricity
Country

per kWh Electricity
Austria € 0.2128 Austria € 0.1930
Belgium € 0.2215 Belgium € 0.1980
Bulgaria € 0.0934 Bulgaria € 0.0936
Cyprus € 0.2131 Cyprus € 0.2116
Czech Republic € 0.1541 Czech Republic € 0.1279
Denmark € 0.3078 Denmark € 0.2666
Estonia € 0.1130 Estonia € 0.1101
Finland € 0.1574 Finland € 0.1377
France € 0.1478 France € 0.1328
Germany € 0.2781 Germany € 0.2614
Greece € 0.1403 Greece € 0.1623
Hungary € 0.1787 Hungary € 0.1701
Ireland € 0.2162 Ireland € 0.1941
Italy € 0.2164 Italy € 0.2722
Latvia € 0.1174 Latvia € 0.1176
Lithuania € 0.1378 Lithuania € 0.1336
Luxembourg € 0.2013 Luxembourg € 0.1877
Malta € 0.1822 Malta € 0.1929
Netherlands € 0.2202 Netherlands € 0.2464
Poland € 0.1600 Poland € 0.1545
Portugal € 0.1925 Portugal € 0.1753
Romania € 0.1207 Romania € 0.1190
Slovakia € 0.1815 Slovakia € 0.1616
Slovenia € 0.1649 Slovenia € 0.1506
Spain € 0.2154 Spain € 0.1969
Sweden € 0.2066 Sweden € 0.1794
United Kingdom € 0.1676 United Kingdom € 0.1513
Notes:
- End-user price, includes all taxes.
- Amount is in euro (€) per kiloWatthour (kWh).
- Price data for non-eurozone countries are in euro.
The average exchange rate valid for the referenced month is applied


Gás Natural Industria
End-user energy prices for industrial consumers.

Two consumption levels are identified. Research methodology.
Price data mentioned may not reflect the latest insights found in the commercial editions.
Reference month: November,
2011.

Historical price data going back to the year 2000, visit EU Energy History

Consumption: 0.25 GWh/year or 23,300 m3
of gas (± 50%)
Consumption: 10 GWh/year or 0.933 million
m3 of gas (± 50%)
Country

per kWh Natural Gas
Country

per kWh Natural Gas
Austria € 0.0406 Austria € 0.0391
Belgium € 0.0517 Belgium € 0.0316
Bulgaria € 0.0358 Bulgaria € 0.0320
Cyprus No data Cyprus No data
Czech Republic € 0.0446 Czech Republic € 0.0379
Denmark € 0.0934 Denmark € 0.0679
Estonia € 0.0342 Estonia € 0.0299
Finland € 0.0363 Finland € 0.0354
France € 0.0523 France € 0.0380
Germany € 0.0504 Germany € 0.0488
Greece No data Greece No data
Hungary € 0.0453 Hungary € 0.0382
Ireland € 0.0452 Ireland € 0.0344
Italy € 0.0507 Italy € 0.0317
Latvia € 0.0387 Latvia € 0.0331
Lithuania € 0.0385 Lithuania € 0.0361
Luxembourg € 0.0470 Luxembourg € 0.0458
Malta No data Malta No data
Netherlands € 0.0609 Netherlands € 0.0362
Poland € 0.0436 Poland € 0.0356
Portugal € 0.0586 Portugal € 0.0365
Romania € 0.0240 Romania € 0.0235
Slovakia € 0.0480 Slovakia € 0.0391
Slovenia € 0.0611 Slovenia € 0.0464
Spain € 0.0446 Spain € 0.0318
Sweden € 0.0658 Sweden € 0.0512
United Kingdom € 0.0392 United Kingdom € 0.0249
Notes:
- Amount is in euro (€) per kiloWatthour (kWh).
- EU Average Gross Calorific Value 38.48 (MJ/m3)
- There is no gas price data available for Greece, Cyprus and Malta.
- End-user price. Includes all duties, except recoverable taxes (e.g. VAT)
- Price data for non-eurozone countries are in euro. The average exchange rate valid for the referenced month is applied.


Electricidade
Industria
End-user energy prices for industrial consumers.

Two consumption levels are identified. Research methodology.
Price data mentioned may not reflect the latest insights found in the commercial
editions.
Reference month: November, 2011.
Historical price data going back to the year 2000, visit EU Energy History








Consumption: 2 GWh/year (± 50%) Consumption: 20 GWh/year (± 50%)
Country

per kWh Electricity
Country

per kWh Electricity
Austria € 0.1213 Austria € 0.1039
Belgium € 0.1182 Belgium € 0.1053
Bulgaria € 0.0746 Bulgaria € 0.0674
Cyprus € 0.1822 Cyprus € 0.1707
Czech Republic € 0.1195 Czech Republic € 0.1072
Denmark € 0.1091 Denmark € 0.1075
Estonia € 0.0817 Estonia € 0.0812
Finland € 0.0784 Finland € 0.0766
France € 0.0763 France € 0.0697
Germany € 0.1340 Germany € 0.1195
Greece € 0.1188 Greece € 0.1036
Hungary € 0.1194 Hungary € 0.1066
Ireland € 0.1303 Ireland € 0.0999
Italy € 0.1565 Italy € 0.1409
Latvia € 0.1015 Latvia € 0.0946
Lithuania € 0.1185 Lithuania € 0.1155
Luxembourg € 0.1180 Luxembourg € 0.0916
Malta € 0.1927 Malta € 0.1713
Netherlands € 0.1181 Netherlands € 0.1063
Poland € 0.1142 Poland € 0.0993
Portugal € 0.1064 Portugal € 0.0931
Romania € 0.0925 Romania € 0.0793
Slovakia € 0.1327 Slovakia € 0.1203
Slovenia € 0.1162 Slovenia € 0.1001
Spain € 0.1271 Spain € 0.1043
Sweden € 0.0887 Sweden € 0.0770
United Kingdom € 0.1149 United Kingdom € 0.1019
Notes:
- Amount is in euro (€) per kiloWatthour (kWh).
- End-user price. Includes all duties, except recoverable taxes (e.g. VAT)
- Price data for non-eurozone countries are in euro. The average exchange rate valid for the referenced month is applied.


The price components that make up the retail price for one liter of fuel.
Crude - Purchase price of one liter of crude.
Margin - Refining, transportation, insurance, stockpiling, distribution and sale to consumers.
Excise duties and VAT - Taxes levied by local governments. There is a time lag between a change in crude oil price and its reflection in the FOB component.

March
13, 2012
Unleaded
(Superbleifrei, Euro sans plomb, Euro95)
Diesel (Gazole, Gasóleo)
Country
Crude Margin Excise
duties
VAT Retail
price
Crude Margin Excise
duties
VAT Retail
price
Austria
0.597

0.109

0.482

0.238
€ 1.425
0.597

0.169

0.397

0.233
€ 1.395
Belgium
0.597

0.219

0.614

0.300
€ 1.730
0.597

0.252

0.428

0.268
€ 1.545
Bulgaria
0.597

0.160

0.363

0.224
€ 1.344
0.597

0.222

0.322

0.228
€ 1.369
Cyprus
0.597

0.187

0.359

0.194
€ 1.337
0.597

0.240

0.330

0.198
€ 1.365
Czech Republic
0.597

0.122

0.516

0.247
€ 1.482
0.597

0.212

0.440

0.250
€ 1.498
Denmark
0.597

0.271

0.587

0.364
€ 1.818
0.597

0.278

0.444

0.330
€ 1.648
Estonia
0.597

0.139

0.423

0.232
€ 1.390
0.597

0.148

0.393

0.228
€ 1.365
Finland
0.597

0.100

0.650

0.310
€ 1.656
0.597

0.210

0.470

0.294
€ 1.570
France
0.597

0.190

0.607

0.273
€ 1.667
0.597

0.217

0.428

0.243
€ 1.485
Germany
0.597

0.142

0.654

0.265
€ 1.657
0.597

0.211

0.470

0.243
€ 1.520
Greece
0.597

0.154

0.670

0.327
€ 1.747
0.597

0.253

0.412

0.290
€ 1.552
Hungary
0.597

0.140

0.419

0.312
€ 1.468
0.597

0.192

0.386

0.317
€ 1.492
Ireland
0.597

0.119

0.588

0.300
€ 1.604
0.597

0.187

0.479

0.290
€ 1.553
Italy
0.597

0.205

0.704

0.316
€ 1.822
0.597

0.242

0.593

0.301
€ 1.733
Latvia
0.597

0.144

0.408

0.253
€ 1.402
0.597

0.208

0.330

0.250
€ 1.385
Lithuania
0.597

0.118

0.434

0.241
€ 1.390
0.597

0.206

0.302

0.232
€ 1.337
Luxembourg
0.597

0.172

0.462

0.185
€ 1.415
0.597

0.183

0.330

0.166
€ 1.276
Malta
0.597

0.163

0.469

0.221
€ 1.450
0.597

0.174

0.382

0.207
€ 1.360
Netherlands
0.597

0.204

0.730

0.291
€ 1.822
0.597

0.234

0.431

0.240
€ 1.501
Poland
0.597

0.144

0.380

0.258
€ 1.379
0.597

0.204

0.330

0.260
€ 1.391
Portugal
0.597

0.213

0.584

0.321
€ 1.714
0.597

0.268

0.366

0.283
€ 1.514
Romania
0.597

0.102

0.360

0.254
€ 1.313
0.597

0.178

0.316

0.262
€ 1.352
Slovakia
0.597

0.165

0.515

0.255
€ 1.532
0.597

0.236

0.386

0.244
€ 1.463
Slovenia
0.597

0.131

0.491

0.244
€ 1.463
0.597

0.161

0.361

0.224
€ 1.343
Spain
0.597

0.197

0.425

0.219
€ 1.438
0.597

0.237

0.331

0.210
€ 1.375
Sweden
0.597

0.162

0.620

0.345
€ 1.723
0.597

0.201

0.554

0.338
€ 1.690
United Kingdom
0.597

0.118

0.674

0.278
€ 1.666
0.597

0.197

0.674

0.294
€ 1.761



<><><><><><><><> <><><><><><><><>
The price components that make up the retail price for one liter of fuel.
Crude - Purchase price of one liter of crude. LPG estimated.
Margin
- Refining, transportation, insurance, stockpiling, distribution and sale to consumers.
Excise duties and VAT
- Taxes levied by local governments. There is a time lag between a change in crude oil price and its reflection in the FOB component.










March
13, 2012
LPG
(GPL, Autogas)
HOME
HEATING OIL (Heizöl)
Country
Crude Margin Excise
duties
VAT Retail
price
Crude Margin Excise
duties
VAT Retail
price
Austria No
data
No
data
No
data
No
data
No data
0.597

0.193

0.060

0.170
€ 1.020
Belgium
0.197

0.468

0.000

0.140
€ 0.804
0.597

0.139

0.015

0.158
€ 0.908
Bulgaria
0.197

0.225

0.174

0.119
€ 0.715
0.597

0.138

0.026

0.152
€ 0.912
Cyprus No
data
No
data
No
data
No
data
No data
0.597

0.321

0.015

0.140
€ 1.072
Czech Republic
0.197

0.248

0.161

0.121
€ 0.727
0.597

0.197

0.019

0.163
€ 0.975
Denmark
0.197

0.327

0.507

0.258
€ 1.288
0.597

0.569

0.039

0.301
€ 1.506
Estonia
0.197

0.341

0.125

0.133
€ 0.795
0.597

0.272

0.015

0.177
€ 1.060
Finland No
data
No
data
No
data
No
data
No data
0.597

0.149

0.188

0.215
€ 1.149
France
0.197

0.456

0.108

0.149
€ 0.910
0.597

0.227

0.019

0.165
€ 1.007
Germany
0.197

0.306

0.180

0.130
€ 0.812
0.597

0.169

0.025

0.150
€ 0.941
Greece No
data
No
data
No
data
No
data
No data
0.597

0.208

0.038

0.194
€ 1.037
Hungary
0.197

0.298

0.163

0.178
€ 0.836
0.597

0.453

0.136

0.320
€ 1.506
Ireland
0.197
No
data
No
data
No
data
No data
0.597

0.307

0.062

0.130
€ 1.096
Italy
0.197

0.258

0.277

0.154
€ 0.886
0.597

0.555

0.064

0.255
€ 1.472
Latvia
0.197

0.175

0.127

0.110
€ 0.608
0.597

0.258

0.016

0.192
€ 1.062
Lithuania
0.197

0.055

0.304

0.117
€ 0.672
0.597

0.120

0.015

0.154
€ 0.885
Luxembourg
0.197

0.375

0.102

0.040
€ 0.714
0.597

0.107

0.015

0.108
€ 0.827
Malta No
data
No
data
No
data
No
data
No data
0.597

0.246

0.030

0.157
€ 1.030
Netherlands
0.197

0.407

0.168

0.147
€ 0.918
0.597

0.129

0.035

0.144
€ 0.905
Poland
0.197

0.188

0.188

0.132
€ 0.704
0.597

0.193

0.015

0.185
€ 0.990
Portugal
0.197

0.361

0.128

0.158
€ 0.844 0.597€ 0.550€ 0.016€ 0.151€
€ 1.313
Romania
0.197

0.273

0.128

0.143
€ 0.741
0.597

0.327

0.015

0.225
€ 1.164
Slovakia
0.197

0.215

0.182

0.119
€ 0.713
0.597

0.232

0.012

0.168
€ 1.008
Slovenia
0.197

0.343

0.125

0.133
€ 0.798
0.597

0.201

0.055

0.171
€ 1.023
Spain
0.197

0.272

0.057

0.095

0.620

0.597

0.203

0.015

0.147

0.961
Sweden No
data
No
data
No
data
No
data
No
data

0.597

0.540

0.015

0.288
€ 1.439
United Kingdom
0.197

0.282

0.368

0.169
€ 1.016
0.597

0.124

0.124

0.042
€ 0.887
Feed-In
Tariffs - In most EU member states electricity utilities now buy
electricity generated from renewable sources produced by individuals
and companies. Prices paid for 'self-produced' electricity is called a feed-in
tariff.
Prices are in euros per kilowatt-hour (€/kWh).
'0.29-0.46' is a price range from 0.29 €/kWh to 0.46
€/kWh, depending on the amount produced.
Prices valid for April 1st,
2010.

-----------------------------







Member
state
Windpower
'On-shore'
Wind
power 'Off-shore'
Solar
PV
Biomass
Hydro
Austria 0.073 0.073 0.29
- 0.46
0.06
-0.16
n/a
Belgium n/a n/a n/a n/a n/a
Bulgaria 0.07
- 0.09
0.07
- 0.09
0.34
- 0.38
0.08
- 0.10
0.045
Cyprus 0.166 0.166 0.34 0.135 n/a
Czech
Republic
0.108 0.108 0.455 0.077
- 0.103
0.081
Denmark 0.035 n/a n/a 0.039 n/a
Estonia 0.051 0.051 0.051 0.051 0.051
Finland n/a n/a n/a n/a n/a
France 0.082 0.31
- 0.58
n/a 0.125 0.06
Germany 0.05
- 0.09
0.13
- 0.15
0.29
- 0.55
0.08
- 0.12
0.04
- 0.13
Greece 0.07
- 0.09
0.07
- 0.09
0.55 0.07
- 0.08
0.07
- 0.08
Hungary n/a n/a 0.097 n/a 0.029
- 0.052
Ireland 0.059 0.059 n/a 0.072 0.072
Italy 0.3 0.3 0.36
- 0.44
0.2
- 0.3
0.22
Latvia 0.11 0.11 n/a n/a n/a
Lithuania 0.10 0.10 n/a 0.08 0.07
Luxembourg 0.08
- 0.10
0.08
- 0.10
0.28
- 0.56
0.103
- 0.128
0.079
- 0.103
Malta n/a n/a n/a n/a n/a
Netherlands 0.118 0.186 0.459
- 0.583
0.115
- 0.177
0.073
- 0.125
Poland n/a n/a n/a 0.038 n/a
Portugal 0.074 0.074 0.31
- 0.45
0.1
- 0.11
0.075
Romania n/a n/a n/a n/a n/a
Slovakia 0.05-
0.09
0.05-
0.09
0.27 0.072
- 0.10
0.066
- 0.10
Slovenia 0.087
- 0.094
0.087
- 0.095
0.267
- 0.414
0.074
- 0.224
0.077
- 0.105
Spain 0.073 0.073 0.32
- 0.34
0.107
- 0.158
0.077
Sweden n/a n/a n/a n/a n/a
United
Kingdom
0.31 n/a 0.42 0.12 0.23



Tipologia, métricas e método de análise

RESEARCH METHODOLOGY GAS & ELECTRICTY EUROPEAN UNION END-USERS
Description of the methodology that leads to an assessment of end-user
prices for natural gas and electricity
Definitions
1 Acquisition of Respondents and Compensation
2. Identifying Respondents

3. Data Submission

4. Data Integrity

5. Data Units

6. Data Analysis

7. Data Grounding
8. Historical Prices
9. Price components
10. Miscellaneous Notes
Appendix I. Number of Respondents
Appendix II. Respondent Login

Definitions

EEP - Abbreviation for Europe’s Energy Portal

Respondents - Entities that submit data to EEP through assigned channels
Energy Type - Natural Gas or Electricity

Usage Pattern - Annual quantity of consumption per energy type
EnergyEdgesm - In-house developed software platform that collects, processes and warehouses input from respondents

Energy Statement - Statement from energy provider that indicates usage
of energy in relation to calculated costs, E.g. energy bill, quotation
or notification

EU State Country that is a member of the European Union.
Metodologia de Pesquisa GAS & electricty UNIÃO EUROPEIA CONSUMIDORES FINAIS
Descrição da metodologia que leva a uma avaliação de preços no consumidor final de gás natural e eletricidade
Definições
1 Aquisição de entrevistados e
Compensação

2. Identificação dos Entrevistados

3. Submissão de Dados

4. Integridade dos Dados

5. Unidades de dados

6. Análise de Dados

7. Aterramento de Dados

8. Preços históricos
9. Componentes de preço

10. Notas diversas

Apêndice I. Número de Respostas

Apêndice II. Reclamado Entrar

Definições

EEP - Abreviatura para Portal Europeu de Energia

Inquiridos - Entidades que enviam dados para o EEP através de canais atribuídos

Tipo de Energia - Gás natural ou electricidade

Quantidade de uso padrão - Quantidade consumida anualmente por tipo de energia

EnergyEdgesm - desenvolvidos na plataforma de software que coleta, processa e armazena os dados de entrada fornecidos pelos entrevistados

Declaração de Energia -
Declaração do fornecedor de energia que indica o
uso de energia em relação aos custos calculados,
Eg conta de energia, a citação ou
notificação

Estado da UE - País que membro da União Europeia.
Methodology
1. Acquisition of Respondents and Compensation
Europe’s Energy Portal offers readers of its electronic documentation the opportunity to sign-up as a respondent. Being a respondent is free of charge and does not include an obligation to submit energy price data. As an incentive industrial respondents are compensated for their effort throug access to energy data from Europe’s Energy Portal.

Among individual respondents there is an additional incentive in the form of coupons that are randomly given away. There is a relationship between the activity and quality of data that is provided by the respondent and their level of compensation.

The energyEdge system provides all respondents the opportunity to check and analyse their energy consumption historically and compare their data with anonymized data from peers.
Respondents are guaranteed that any information shared with EEP will not be shared or disclosed to any other party.

2. Identifying Respondents

Two different types of respondents are identified: domestic and industrial end-user consumers.

a. Domestic consumption price data is assessed from respondents that are private persons. These persons are individuals who are either part of a household or run their own.

b. Industrial consumption price data is assessed from respondents that are commercial organizations, most notably industries. Power plants, used for electricity generation, are not included.

3. Data Submission

There are two methods of submitting data to EEP. Most used method is via web interface.
This interface is an online form that asks the respondent to enter a
number of details from their energy statement. To avoid mistakes or confusion, the respondent enters the values and quantities as mentioned on their statement. All applicable conversions, e.g. to euro currency
for non-eurozone EU states and from cubic meters of natural gas to kWh, are handled by the EEP software platform,  nergyEdge. Second option to submit data is by sending the energy statement as an Adobe PDF document to EEP. The data is then manually processed and entered in the EnergyEdge platform.

4. Data Integrity

Gatekeeper for data integrity is the EnergyEdge software platform. This platform analyses the respondent’s input and make a determination as to whether or not the entered values are within an expected range, based on past input and known data for their specific consumption pattern and EU state.

5. Data Units

Submitted prices and quantities are stored in their respective units and, if required, converted to the EEP standard units for both electricity and natural gas: euro per one kilowatt-hour.
6. Data analysis

Europe’s Energy Portal utilizes Data Sampling Methodology.

The goal is to determine national, average retail prices. The assessed price data is per energy type, per consumption patterns and per EU state.
The database is built by respondent’sinput processed via EnergyEdge. It is the basis for the assessment of average prices for the EU states. The data sample is a representative portion of consumers from the EU states in consumption patterns identified by EEP.

EnergyEdge requires data input from at least 75% of its respondents before price assessment is calculated for an EU state. In case the threshold is not reached, respondents are approached via e-mail to submit data.

  • a. Respondents may have a variable contract or a fixed contract for a certain term, both contract types are accepted in the calculation is construct reliable price date. Section 9 covers the number of active respondents per EU state.
  • b. EEP strives to build a respondent’s base that is representative for the provinces and regions in an EU state.
  • c. A weighted, average figure, in euro per kWh, is determined based on the number of respondents per geographical region of an EU state for a usage pattern. Regions that are under-represented by respondents have to be compensated by increasing their ‘weight’ in comparison to over-represented regions to construct a reliable price data.

7. Data Grounding

Before the price data is anchored in the main database, it is manually checked to capture possible deviations as a result of software errors.

8. Historical Prices
The historical prices are available from the year 2000. EEP does not have price data for the years that an EU state was not part of the European Union (EU).
9. Price Components

For domestic consumers, the end-user price comprises of the following components:
  • a. Gas or Electricity price as traded on the markets
  • b. Main transport of natural gas or transmission of electricity, to local distribution centers.
  • c. Local distribution to households
  • d. Miscellaneous costs, e.g. standing charges and metering
  • e. All applicable taxes: excise duties, value added tax, green taxes, etc.

For industrial consumers, the end-user price comprises of the following components:
  • a. Gas or Electricity price as traded on the markets
  • b. Main transport of natural gas, or transmission of electricity.
  • c. Local distribution (when applicable)
  • d. Administrative costs
  • e. Non-recoverable taxes. E.g. VAT is a recoverable tax and therefore not included.

10. Miscellaneous Notes

  • a. When local currencies are converted to euro, the average exchange rate valid for the referenced month is applied.
  • b. Bands applicable to consumption patterns are identified in the price data tables.
  • c. EU Average Gross Calorific Value is set at 38.48 (MJ/m3).
  • d. Price data is not available for:
  • >> Domestic natural gas consumption in Greece, Cyprus, Malta and Finland.
  • >> Industrial natural gas consumption in Greece, Cyprus, Malta.

Appendix I
Number of active respondents as per August 1st, 2011

Additional information on respondents is not disclosed.
Metodologia

1. Aquisição de entrevistados e Remuneração

Portal Europeu da Energia oferece aos leitores da sua documentação eletrônica a oportunidade de inscrever-se como entrevistado. Ser inquirido é gratuito e não, inclui uma obrigação de apresentar dados sobre os preços da energia. Como um incentivo, os entrevistados industriais são compensados ​​pelo seu esforço atravéz do acesso a dados de energia do Portal energético da Europa.

Entre os entrevistados individuais há um incentivo adicional na forma de cupons que são aleatoriamente distribuídos. Existe uma relação entre a actividade e a qualidade dos dados que são fornecidos pelo entrevistado e o seu nível de compensação.
O sistema energyEdge fornece a todos os entrevistados a oportunidade de verificar e analisar o seu historial de consumo de energia e comparar os seus dados com os dados anónimos dos pares.
Aos entrevistados é dada a garantia de que qualquer informação partilhada com a  EEP não serão compartilhadas ou divulgados a qualquer outra parte.
2. Tipo de Entrevistados

Dois tipos diferentes de entrevistados são identificados:
Consumidor final, doméstico e industrial.

a. Os dados sobre os preços domésticos de consumo são avaliado a partir das entrevistas a pessoas privadas.
Essas pessoas são indivíduos que são parte de um agregado familiar ou vivem em habitação própria.

b. Os dados relativos aos preços industriais de consumo
são avaliado a partir dos comerciantes:
organizações, principalmente indústrias. As empresas de geração de energia eletrica, não estão incluídas.

3. Apresentação de Dados

Existem dois métodos de envio de dados para a EEP. O método mais utilizado é através de interface web.

Esta interface contém um formulário online que pede ao inquirido para introduzir uma relação dos detalhes da sua declaração de energia. Para evitar erros ou confusão, o entrevistado insere os valores e as quantidades, de acordo com o mencionado na su declaração. Todas as conversões aplicáveis, por exemplo á conversão de moeda para euro e de metros cúbicos de gás natural para kWh, são manipulados automáticamente pela plataforma de software EEP, EnergyEdge. Segunda opção para enviar dados é de o envio da declaração de energia como um documento Adobe PDF para o EEP. Os dados são então manualmente processados e inseridos na plataforma EnergyEdge.

4. Integridade dos Dados
A garantia da integridade dos dados é a plataforma de software EnergyEdge. Esta plataforma análisa as entradas dos entrevistados e determina se os valores inseridos se encontram dentro do intervalo esperado, com base nas entradas anteriores e os dados conhecidos para o padrão de consumo específico do entrevistado e para Estado da UE em que se insere.
5. Unidades de dados

Os preços apresentados e as quantidades são armazenados nas suas respectivas unidades, e se necessário, convertido para as unidades-padrão EEP de electricidade e de gás natural: euro por um kilowatt-hora. Preço=Euro * KWh
6. A análise dos dados

O Portal Europeu de Energia  utiliza um sistema metodologico de coleta de dados

O objetivo do PEE é determinar os preços médios nacionais, de varejo. Os dados dos preços são avaliados de acordo com  o tipo de energia, os padrões de consumo e o Estado da UE.
O banco de dados é construído atravéz das entradas de dados fornecidas pelos entrevistados através da plataforma EnergyEdge. Estas entradas de dados, são a base para a avaliação dos preços médios para os estados da UE. A amostra de dados é uma parcela representativa dos consumidores dos estados da UE nos padrões de consumo identificados pela EEP.

A platataforma EnergyEdge requer a entrada de dados de pelo menos 75% dos seus entrevistados antes da avaliação preço ser calculado para um Estado da UE. No caso de o limiar não ser atingido, os entrevistados são abordados via e-mail para enviar dados.

  • a. Os entrevistados podem ter um contracto variável ou um contrato fixo para um determinado termo, os dois tipos de contracto são aceitas no cálculo para a construção dos dados utilizados para o cálculo do preço confiável. Seção 9 abrange o número de inquiridos activos por Estado da UE.
  • b. O EEP esforça-se para construir uma base de respondentes que seja representativa das províncias e regiões dos Estados da UE.
  • c. O valor médio ponderado, em euros por kWh, é determinada com base no número de respondentes por região geográfica de cada Estado da UE para um padrão de uso específico. As regiões que estão sub-representadas pelos inquiridos têm de ser compensada por um aumento do sue "peso" em relação às regiões sobre-representadas para  se construir uma base de dados de preços fiáveis.

7. Aterramento de Dados

Antes dos dados de preço serem ancorados no banco de dados principal, são verificados manualmente para corrigir possíveis desvios originados por erros de software.

8. Histórico de Preços

Os dados históricos de preços, estão disponíveis, desde o ano 2000. O EEP não tem dados de preços  dos Estados da UE, relativos a data anterior á sua entrada para a União Europeia (UE).
9. Componentes Preço

Para os consumidores domésticos, o preço ao consumidor final compreende os seguintes componentes:
  • a. Preço do gás ou electricidade, tal como negociados nos mercados
  • b. Transporte e distribuição de gás natural ou de transmissão de energia elétrica, para os centros de distribuição local.
  • c. A distribuição local para as famílias
  • d. Despesas diversas, por exemplo taxas fixas e de medição
  • e. Todos os impostos aplicáveis: impostos especiais de consumo, imposto sobre o valor acrescentado, impostos verdes etc
Para os consumidores industriais, o preço ao utilizador final compreende os seguintes componentes:
  • a. Preço do gás ou electricidade, tal como negociados nos mercados
  • b. Transporte principal de gás natural, ou distribuição de energia elétrica.
  • c. A distribuição local (quando aplicável)
  • d. Os custos administrativos
  • e. Impostos não recuperáveis. Por exemplo, O IVA é um imposto recuperável e, portanto, não está inclíudo.
10. Notas diversas

  • a. Quando as moedas locais são convertidos para euros, a taxa de câmbio média válida para o mês de referência é aplicada.
  • b. As bandas aplicáveis ​​aos padrões de consumo são identificados nas tabelas de dados de preços.
  • c. Média da UE para o valor calorífico bruto é fixada em 38,48 (MJ/m3).
  • d. Não estão disponíveis dados de preços para:
  • >> consumo doméstico de gás natural na Grécia, Chipre, Malta e Finlândia.
  • >> industrial consumo de gás natural na Grécia, Chipre, Malta.
Apêndice I

Número de inquiridos activos

1 de agosto de 2011

Informações adicionais sobre os inquiridos
não são divulgadas.


Respondent EU State Domestic Respondents Industrial Respondents

Natural Gas
Industrial Respondents

Electricity
Belgium Belgica 860 130 126
Bulgaria 492 28 32
Cyprus Chipre 114 0 30
Czech Republic 672 64 44
Denmark 782 80 88
Estonia 270 42 40
Finland 726 152 112
France 870 111 128
Germany 1272 202 189
Greece 582 0 80
Hungary 336 48 46
Ireland 1020 100 109
Italy 612 110 102
Latvia 398 50 42
Lithuania 324 38 46
Luxembourg 702 38 34
Malta 168 0 18
Netherlands 1106 70 82
Poland 796 68 74
Portugal 792 64 62
Romania 402 36 36
Slovakia 318 34 40
Slovenia 294 42 28
Spain 1728 92 102
Sweden 1458 68 92
United Kingdom 3120 193 178

Europe's Energy Portal - Square de Meeûs 38/40 - 1000 Brussels – Belgium
Document version 2.3, August 2011

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Recent Posts

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...