... Julgo que depois destes malabarismos, os currículos das pessoas com funções políticas activas com o propósito de praticar o bem comum de uma nação, devem ser exigidos e publicados em Diário da Republica para qualquer cidadão poder consultar e certificar-se das habilitações de cada politico. Não deve ser uma opção, mas uma condição contemplada numa lei própria para o efeito, pois como sabemos, nenhum trabalhador é admitido numa função numa empresa, sem referências e/ou curriculo académico/profissional. será verdade que o PS está "calado" neste caso da licenciatura de M. Relvas porque o Irmão Maçon António Seguro dos Bancos (da Universidade Lusófona) foi um dos professores envolvido no processo?...

Tsunami Financeiro Global; Grécia, Portugal, Irlanda Sucumbiram a Impasses Semelhantes: Espanha, a Peça Chave do Domino; Com o Colapso Espanhol "Vai Levar Tempo Até Que o Resto da Economia Mundial Recupere Para Puxar a Europa Para Fora do Abismo", in Washington Post



A dor na Espanha pode atingir economia mundial

 

Quando você pensa que a economia mundial pode estar melhorando, há um tsunami que surge de Espanha. Espanha é próxima peça do efeito dominó económico da Europa, lutando para lidar com grandes deficits orçamentais, desemprego maciço e uma população indignada e irritada. Será que vai falhar - e, em caso afirmativo, com que consequências?

Tsunami, Financeiro, Global, Grécia, Irlanda, Portugal, Espanha, Semelhantes, Espanhol, Economia, Mundial, Europa, Abismo, Chave, Colapso, Domino,Peça

Tsunami Financeiro Global; Grécia, Portugal, Irlanda Sucumbiram a Impasses Semelhantes:

Espanha, a Peça Chave do Domino

Com o Colapso Espanhol

"Vai Levar Tempo Até Que o Resto da Economia Mundial Recupere

Para Puxar a Europa Para Fora do Abismo", in Washington Post


Quando isso acontecer, a economia mundial de 80 trillion dólares divididos aproximadamente 50-50 (dados do FMI) entre os países avançados (Estados Unidos, Europa, Japão e alguns outros) e países em desenvolvimento (China, Índia, a maior parte da Ásia, África e América Latina). Desde a crise financeira, as economias avançadas têm lutado para sobreviver. Em 2012, a economias vão crescer uns magros 1,4 por cento, prevê o Fundo Monetário Internacional. Grande parte da Europa está em recessão, os Estados Unidos terão um crescimento aproximado de 2,1 por cento e o Japão (2 por cento).
Embora os países em desenvolvimento tenham agido muito melhor, as suas economias estão a abrandar, também. O motivo é: O rápido e elevado crescimento da inflação. Na China, a inflação passou de 3,3 por cento em 2010 para 5,4 por cento em 2011. A inflação da Índia atingiu um pico de 12 por cento. Assim, os bancos centrais destes e de outros países (as suas reservas federais) impulsionam o crescimento das taxas de juro para atenuar os aumentos de preços.

Se crise da Espanha aprofundar, aumenta a recessão da Europa e poderá derrubar e afundar toda a economia mundial numa recessão profunda. As ramificações serão enormes, incluindo: chances reduzidas da reeleição de Barack Obama, assumindo uma fraca recuperação dos EUA, menos coesão política e mais inquietação social na Europa (hoje, taxa de desemprego da União Europeia é de 10,2 por cento) e em muitos países aumentam as pressões crescentes para o nacionalismo e o proteccionismo económico.

A Espanha está a sofrer uma ressaca a que o economista Desmond Lachman, do American Enterprise Institute chama de "mãe de todos os booms da habitação."


Apenas isso. No auge, em 2006, "A Espanha começou a construção de cerca de 800.000 casas - mais do que Alemanha, França, Itália e Reino Unido juntos", observou um relatório de 2009 do FMI. Os trabalhadores da construção representou um em cada oito postos de trabalho (o valor dos EUA no auge da bolha imobiliária americana foi de um em 18). Mesmo após a correcção pela inflação normal, os preços domésticos da Espanha mais que dobraram de 1995 a 2006.

Uma das causas foi um período prolongado de taxas de juro baixas, coincidindo com a introdução do euro em 1999, diz o economista Jacob Funk Kirkegaard, do Instituto Peterson. Outra é a de que muitos bens e empréstimos da construção foram canalizados através dos bancos espanhóis de poupança, Cajas ", controladas pelos governos locais e regionais que tinham interesse no desenvolvimento econômico", diz Jeffrey Anderson, do Instituto de Finanças Internacionais, um think tank da indústria.

O colapso da bolha aleijou a economia, deixou as cajas com grandes perdas e expandiu vastamente défices os orçamentais. O desemprego é quase 24 por cento, e entre os jovens com menos de 25 anos, é 50 por cento. A receita fiscal caiu drasticamente. Em 2011, o défice orçamental foi de 8,5 por cento do valor da economia nacional (Produto Interno Bruto). Para 2012, o FMI projecta um deficit de 6 por cento do PIB em comparação com uma meta de 5,3 por cento.
domino
A situação da Espanha é agonizante. Para obter empréstimos a taxas de juros razoáveis ​​exige convencer os mercados financeiros que os deficits enormes estão sendo reduzidos. Mas cortando gastos e elevando impostos arrisca o aprofundamento da crise, aumentar o deficit e o surgimento de mais protestos de rua. O dilema é simples: Austeridade pode produzir mais austeridade, enquanto a ausência de austeridade pode produzir uma crise de confiança. Além disso, os bancos da Espanha precisam de mais capital. Quem o vai fornecer?

Anteriormente, Grécia, Portugal e Irlanda sucumbiram a impasses semelhantes. Depois que as taxas de juros  de seus títulos subiram, eles tiveram que ser resgatados por empréstimos de outros países europeus, do Banco Central Europeu e do FMI. O problema é que a economia da Espanha é duas vezes maior que a da Grécia, da Irlanda e de Portugal juntas. E financeiramente precária, a Itália tem uma economia que é 50 por cento maior do que Espanha. Há dinheiro suficiente para socorrer esses países?

Na verdade, ninguém tem uma solução clara para acabar com pesadelo financeiro da Europa. Talvez a Espanha e a Itália venham a escapar da calamidade. Ou talvez se avizinhem mais empréstimos de última hora, vai levar tempo até que o resto da economia mundial recupere para puxar a Europa para fora do abismo.

Ou talvez não.

O pressentimento é indisfarçável. "Nos últimos seis meses, a economia mundial tem sido... uma montanha-russa", Olivier Blanchard, economista-chefe do FMI, disse na semana passada. "A pessoa tem a sensação de que, a qualquer momento, as coisas podem muito bem ficar muito más novamente."

http://www.washingtonpost.com/opinions/the-pain-in-spain-could-hit-worldwide-economy/2012/04/22/gIQAQCfiaT_story.html?tid=pm_pop

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários são livres, portanto não expressam necessariamente a opinião do blog.
Usem-no com sapiência, respeito com os demais e fiquem a vontade.
A Administração do Website

Revolta Total Global Democracia Real Já

Democracia Real Ya
Saiba Quem Manda nas Agências de Rating
Saiba Como Funcionam, a Quem Benificiam e Servem os Ratings das Agências de Notação Financeira; Conheça a Moody's

Occupy The Banks

Conheça Dívida Soberana das Nações e o Império do Fundo Monetário Internacional FMI

World Revolution For Real Democracy Now
Conheça os Estatutos do FMI; Direito Especial de Saque Incluido

Take The Square

Occupy Everything

Tomem as Praças
Saiba Porque não Falam na Islândia

Recent Posts

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...