... Julgo que depois destes malabarismos, os currículos das pessoas com funções políticas activas com o propósito de praticar o bem comum de uma nação, devem ser exigidos e publicados em Diário da Republica para qualquer cidadão poder consultar e certificar-se das habilitações de cada politico. Não deve ser uma opção, mas uma condição contemplada numa lei própria para o efeito, pois como sabemos, nenhum trabalhador é admitido numa função numa empresa, sem referências e/ou curriculo académico/profissional. será verdade que o PS está "calado" neste caso da licenciatura de M. Relvas porque o Irmão Maçon António Seguro dos Bancos (da Universidade Lusófona) foi um dos professores envolvido no processo?...

38 Anos Revolução do 25 de Abril; Comunicado á Nação: "A Associação 25 de Abril Tem Toda A Legitimidade Paa Afirmar Que O Governo Está a Atraiçoar Os Ideais de Abril"; Coronel Luis Alves de Fraga



TRINTA E OITO ANOS


 

Faltam poucas horas para que se perfaçam trinta e oito anos sobre o dia em que o Exército, a Marinha e a Força Aérea, através do Movimento dos Capitães, mais tarde assumido como Movimento das Forças Armadas, criaram as condições para se declarar a democracia em Portugal.


Nas semanas subsequentes a 25 de Abril de 1974 a liberdade foi reassumida integralmente e, um ano depois, realizaram-se as primeiras eleições livres no ortugal de Abril. Os militares cumpriram as promessas que haviam feito um ano antes. Em 1976 estava a ser votada a nova Constituição Política e, funcionando como órgão tutelar da democracia, manteve-se em actividade até 1982 o Conselho da Revolução. Tinha que se garantir aquilo que se passou a designar pelo “espírito de Abril”, ou seja, a liberdade, a democracia e a justiça social.

Esses foram os pilares, para além da descolonização, sobre os quais, o Movimento das Forças Armadas queria ver reconstruída a sociedade portuguesa.


Por isso se fizeram as nacionalizações em 11 de Março de 1975 – havia que travar o passo à reacção que se concentrava em redor dos grandes interesses capitalistas que tinham apoiado o regime do Estado Novo. Travar o passo à exploração que havia sido o esteio do fascismo português, porque Abril tinha um ideal; não era socialista, não era comunista, não era social-democrata; era, acima de tudo, o ideal de justiça social. Um ideal de sociedade onde cada um chegasse tão longe quanto as suas honestas possibilidades o pudessem levar. Era um ideal de lhana verdade, de honradez, de verticalidade, de frontalidade.

Era um ideal cívico igual àquele que nas fileiras militares se ensina a quem nelas vive, porque, na tropa imperam valores de coragem e abnegação que são compatíveis com outros praticáveis por toda a sociedade. Esses valores, todos eles, haviam sido vividos pelos Capitães de Abril em campanha, nas frentes de combate em África, quando enquadravam os filhos do Povo que a Nação lhes tinha confiado para cumprirem o dever que lhes era imposto. Foi lá, sob o calor e as chuvas tropicais, que os Capitães se aperceberam mais completamente do Portugal que sangrava em consequência de uma miséria à qual estava sujeito; do Portugal atrasado que o fascismo deixara crescer para melhor o explorar, para melhor lhe arrancar o suor da testa; do Portugal que era pai para muito poucos e padrasto para quase todos. Esse Portugal conheceram-no bem os Capitães de Abril e, por isso, recusaram o «estado a que isto chegou» no dizer de um dos seus mais lídimos representantes. Recusaram quando começaram a conspirar, arriscando como mais ninguém a sua carreira e, talvez, a sua vida; recusaram quando saíram para a noite escura, depois de terem ouvido na rádio a primeira senha – “E Depois do Adeus” – nas primeiras horas de 25 de Abril de 1974.


A Associação 25 de Abril, que reúne no seu seio, a maioria do militares de Abril de 1974, tem toda a legitimidade – legitimidade que lhe vem do facto de aos militares das Forças Armadas se dever, há trinta e oito anos, a democracia e a liberdade – para afirmar que o presente Governo está a atraiçoar os ideais de Abril quando, através de uma “suave revolução” reduz, de novo, o Povo à miséria em nome dos valores da alta finança, em nome dos valores da desigualdade, da servidão e da humilhação.


Não há voto popular que legitime um Governo como aquele que se senta hoje nas cadeiras do Poder em Portugal. O voto popular – o voto de uma minoria dos Portuguesesdeu legitimidade às promessas que foram feitas e não foram cumpridas! Não legitimou a mentira!

E essa verdade só tem força legítima para a gritar bem alto aqueles que, em nome do Povo, pelo Povo e com o Povo, deram a Portugal a democracia, a liberdade e a promessa de desenvolvimento.


Fio de Prumo

Write About Or Link To This Post On Your Blog - Easy Links :
Link Directly To This Post :

Link To The Homepage :

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários são livres, portanto não expressam necessariamente a opinião do blog.
Usem-no com sapiência, respeito com os demais e fiquem a vontade.
A Administração do Website

Revolta Total Global Democracia Real Já

Democracia Real Ya
Saiba Quem Manda nas Agências de Rating
Saiba Como Funcionam, a Quem Benificiam e Servem os Ratings das Agências de Notação Financeira; Conheça a Moody's

Occupy The Banks

Conheça Dívida Soberana das Nações e o Império do Fundo Monetário Internacional FMI

World Revolution For Real Democracy Now
Conheça os Estatutos do FMI; Direito Especial de Saque Incluido

Take The Square

Occupy Everything

Tomem as Praças
Saiba Porque não Falam na Islândia

Recent Posts

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...